Overtraining: obsessão por treino

Overtraining entenda o que é a obsessão por ativid

Foto: reprodução/ Corbis

São enormes as vantagens de se exercitar, mas o overtraining, ou seja, a obsessão por treinar, pode se transformar em um hábito perigoso quando ultrapassa o que é normal e saudável.

Como tudo na vida, existe um limite. Até mesmo o que é saudável deve ser consumido com moderação. No esporte não poderia ser diferente. Quando os exercícios se tornam incessantes e o corpo não encontra tempo para se reestruturar, o risco de lesões e fadiga aumentam.

"O chamado overtraining ocorre, principalmente, porque a aluna não espera o ciclo necessário para as fibras musculares se recuperarem das microlesões ocasionadas pelo exercício físico", segundo a fisiologista Luciana Mankel, da Curves Academia.

Portanto, nada de muitas horas e pouco descanso, pois repor as energias e descansar são fundamentais para atingir o objetivo. No sono, por exemplo, ocorrem os principais processos metabólicos para a manutenção do organismo. "Caso algum deles sofra alteração, o equilíbrio do corpo é afetado a curto, médio e longo prazo", afirma a especialista.


Para identificar se está indo além do que o corpo aguenta, é bom ficar alerta aos sintomas: sonolência, ansiedade, compulsão alimentar, fadiga muscular e até depressão em casos mais extremos. "Respeitar os limites do corpo é essencial. As iniciantes, por exemplo, não devem começar com um ritmo muito alto e intensivo de treino. É preciso ser progressivo", conclui.

Por Lívany Salles

Comente