Lutar ajuda mulheres a manter a forma

Lutar ajuda mulheres a manterem a forma

Tonificar e definir os músculos, emagrecer, aliviar o estresse, ganhar disposição e força é o que buscam as mulheres que optam pelas lutas marciais como forma de melhorar o condicionamento físico. Com o sucesso do M. M. A. no Brasil, modalidades como muay thai, boxe e outras lutas estão virando febre entre o público feminino.

Os resultados são bem positivos já que em uma hora de aula de muay thai, por exemplo, é possível perder até 1.000 calorias, pois a luta mistura movimentos rápidos dos braços e pernas, em sua grade maioria. Aliás, foi a modalidade que ajudou a atriz da TV Globo, Carolinie Figueiredo, que interpretou a jovem Domingas, em Malhação, a emagrecer 14 quilos.

Após ficar quatro anos sem fazer nenhuma atividade física, a jornalista Andrea Cobra optou pelo muay thai após não se adaptar à musculação e ao spinning. "Fui atleta aos 16 anos, jogava vôlei, pratiquei ginástica localizada e yoga, mas devido ao trabalho, tive que parar. Ao voltar a me exercitar, não me adaptei com a academia, então fui conhecer o muay thai e gostei", explica.

O principal motivo da luta despertar o interesse das mulheres é que, além de praticar uma atividade bem aeróbica e tonificar os músculos, também aliviam o estresse, pois os golpes devem ser aplicados corretamente, combinando força e precisão.


O interesse feminino pelas lutas tem crescido tanto que até as empresas voltadas ao setor já criam produtos específicos para elas. Um exemplo é a marca Pretorian, que lançou uma linha que inclui luvas de boxe, bate-saco, caneleiras e bandagens nas cores branca, com detalhes rosas, pensando exclusivamente nas mulheres, não só no design, mas também no conforto e proteção.

Por Carmem Sanches

Comente