#Instafitness: a disputa pelo corpo perfeito

Instafitness

Foto: Ben Welsh/Corbis

Temos visto casos extremos de mulheres que assumem uma "batalha" em seus perfis do Instagram (#Instafitness) para ver quem consegue alcançar o objetivo do corpo perfeito. E essa procura promete não ter fim.

Mascaradas como símbolo da vida saudável, a anorexia e a bulimia são problemas que muitas mulheres ignoram em sua procura por um físico magro e definido. Por que algumas pessoas ficam obsessivas por esse objetivo?

Marisa de Abreu, psicóloga da Clínica de Psicologia afirma: "Toda pessoa que entra na busca exagerada pela perfeição, seja do corpo ou da limpeza da casa, está passando por uma fase de fragilidade emocional intensa". O exagero é encontrado quando a pessoa deixa de fazer coisas importantes, como ter contato com os familiares e amigos ou provoca prejuízos em sua própria vida para buscar esse objetivo compulsivo.

Quando a compulsão se dá na esfera da imagem, com o corpo perfeito, essa característica pode estar vinculada ao fato de a pessoa acreditar que seu valor está em sua estética corporal. "As pessoas que limitam seu valor a um único item, o corpo perfeito, por exemplo, ignoram ou consideram de menor valor todas as outras qualidades que um ser humano tem", explica Marisa.

Essa busca por um corpo bonito e saudável não deve atrapalhar quaisquer outras atividades de seu dia a dia. Assim, a dieta ou a rotina de exercícios físicos não podem interferir ou atrapalhar você de sair com os amigos, conversar e interagir com seus familiares ou ingerir todos os nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo. Seu dinheiro também deve ser bem manejado, de forma que seu ganho mensal não vá todo para a academia, por exemplo.

Na busca pelo corpo ideal, muitas dessas mulheres "disputam" para quem consegue perder mais gordura corporal, o invés somente da redução de peso. A medida ideal de gordura corporal varia de acordo com a idade da mulher e a medição deve ser realizada por um profissional capacitado. Dos 18 aos 25 anos, o ideal é que se tenha de 13% a 16% de gordura no corpo; dos 26 aos 35, 14% a 16%; dos 36 aos 45, de 16% a 19%; dos 46 aos 55 anos, recomenda-se de 17% a 21% e dos 56 aos 65, indica-se de 18% a 22 % de tecido adiposo no corpo.

Daí podemos observar que a eliminação total da gordura não é um objetivo saudável, já que a acumulação de gordura pelo tecido adiposo é uma função importante do sistema corporal para que o calor seja preservado, que haja reserva de nutrientes para grandes gastos entre diversas outras coisas. Tenha sempre o auxílio de um educador físico e de um nutricionista quando praticar seus exercícios para que não exagere na dose.

Marisa dá as dicas para que seu estado mental não influencie negativamente no seu corpo ou o inverso. "Seja feliz, equilibrada, faça um pouco de tudo, tenha entusiasmo por vários aspectos da vida e não fique focada em uma única meta. Busque não um corpo perfeito, mas um corpo saudável que carregue uma "cabeça" saudável e motivada a trabalhar, ter amigos, passatempos, religião (se for o caso) etc.", diz ela.


É, sim, uma meta completamente legítima ter um corpo saudável, malhado e bonito, mas devemos perceber que, muitas vezes, para atingir esse objetivo é preciso sacrificar muita coisa que faz falta no fim das contas. Balanceie o valor de cada aspecto e maneje seu tempo de modo que você sempre possa realizar as mais diversas tarefas durante seu dia. Não se foque em apenas uma coisa, tendo em mente que aquilo que lhe parece supérfluo pode ser ótimo para relaxar e manter sua mente no lugar certo.

Não se renda ao que pregam por aí de que só é bonita quem é magra e definida, pois a beleza está em cada detalhe do todo e não apenas no corpo e o que mais importa é sua saúde. Como finaliza a psicóloga: "Tenhamos metas, mas metas realistas e flexíveis".

* Serviço: Marisa de Abreu, psicóloga da Clínica de Psicologia.

Por Juliany Bernardo (MBPress)

Comente