Dores na canela? Pode ser canelite!

As pessoas que praticam corrida ou atividades que tenham saltos correm o risco de desenvolver uma inflamação no principal osso da canela, a tíbia, ou em seus tendões ou músculos, chamada de Canelite ou Periostite Medial de Tíbia. A dor é aguda e dá a sensação de queimação na parte anterior da perna, na canela.

O professor da academia Fit Premium, Diego Tareszkiewicz, conta que alguns fatores podem desencadear a síndrome, como a pronação dos pés (movimento em que a planta do pé se vira para fora). "Além do tipo de pisada, treinar em terreno muito rígido, principalmente sem o uso de um tênis adequado, com bom amortecimento, pode desencadear a canelite", diz. Quando não tratada de maneira adequada pode gerar uma fratura por estresse.

Algumas situações podem reduzir a incidência da canelite. Uma delas é não aumentar de maneira drástica o volume de treinamento ou começar a correr sem que o treino esteja devidamente estruturado. "Evitar correr em terrenos muito rígidos também é recomendado (praticar o esporte na grama é uma boa opção)", explica Diego.

Usar tênis com um bom amortecimento é outra recomendação do professor da Fit Premium. E é importante lembrar que todo calçado tem um tempo de vida. No caso da corrida, ele deve ser trocado de acordo com a intensidade do treino e, de preferência, antes que o tênis esteja totalmente desgastado.

Diego dá como exemplo. Um tênis de corrida dura 600 km em média. "Se levarmos em conta esse dado, alguém que treina para correr 5 km deverá trocar de tênis a cada 10 meses. Corredores de 10 km, a cada cinco meses. E para quem está treinando para 21km, a troca deve ser efetuada a cada três meses."


Um bom trabalho de flexibilidade, com alongamento depois do treino, fortalecimento geral da musculatura da perna e coxa e também das articulações, com exercícios de estabilidade e uma boa estruturação do treino de corrida são outros métodos que podem evitar o surgimento das dores na canela.

O tratamento da canelite, conforme explica Tareszkiewicz, é feito com diminuição do volume de treino ou, dependendo do grau da inflamação, com repouso total. "O uso de gelo e anti-inflamatórios, assim que surgirem os sintomas e uma palmilha ortopédica também auxilia na recuperação", finaliza.

Por Juliana Falcão (MBPress)