Circo como atividade física

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Circo como atividade física

Respeitável leitor chegou a hora de conhecer um pouco sobre a grande arte que é o circo. A “lona” está erguida e quem comanda o espetáculo pode ser você. É o momento de substituir a mesmice das aulas de academias, pelas acrobacias, piruetas, saltos e outras atividades circenses.

Com a malhação alternativa do circo, você pode emagrecer, definir a musculatura e ainda exercitar-se com prazer, tudo para espantar o sedentarismo e o estresse. Pode acreditar, você também é capaz, e é muito mais fácil do que imagina.

A cada dia aumenta o número de pessoas que preferem uma maneira diferente e descontraída de praticar exercícios físicos. Esta pode ser uma opção, e não é só para os adultos, crianças também podem beneficiar-se desta modalidade.

É possível fazer a troca das aulas de musculação, esteira e spining pelo picadeiro, sem medo, pois os exercícios das lonas do circo têm inúmeras utilidades. Você trabalha: flexibilidade, alongamento, coordenação motora, equilíbrio, postura, agilidade e a concentração, ao mesmo tempo em que fortalece os músculos dos braços, barriga, glúteo, pernas e costas. Em média, um treino de uma hora e meia elimina cerca de 600 calorias.

Os movimentos circenses merecem aplausos porque proporcionam maior consciência corporal e ainda dá para adquirir um condicionamento físico invejável.

Como a ordem é divertir-se, além de se exercitar, as aulas são feitas em trapézios, com movimentos acrobáticos no solo, malabarismos, monociclos e muito mais. Antes de começar com as manobras em um determinado aparelho, o aluno passa por uma fase de adaptação para conseguir assimilar bem cada movimento.

Conheça um pouquinho sobre cada número do espetáculo, em que você também pode fazer parte:

Tecido: a meu ver é o aparelho de maior efeito visual, é simplesmente lindo! São dois pedaços de pano presos no alto da lona ou teto da academia que chegam ao chão. Com eles a pessoa faz movimentos em que os enrola no corpo, e uma vez no alto fazem acrobacias, sendo necessário um condicionamento físico muito bom para utilizar tal aparelho.

Trapézio: o aparelho se posiciona próximo ao solo e o aluno faz uma série de movimentos chamados de figuras. O aluno pratica até quase a perfeição, para só então passar ao próximo. Outra forma de utilização do trapézio e a mais conhecida, ocorre quando o aparelho fica preso bem alto e os trapezistas saltam de um trapézio para o outro dando um show de acrobacias aéreas.

Solo: alguns movimentos são utilizados para fazer o aquecimento do corpo antes do treino propriamente dito. São cambalhotas, paradas de mão, pontes, estrelas, entre tantos outros movimentos realizados no chão.

Malabarismo: pode-se utilizar bolinhas, arcos, tochas e objetos que parecem garrafas para fazer os movimentos que exigem concentração e coordenação motora. Em média, cerca de dois meses de treino o aluno já consegue fazer os exercícios com destreza.

Monociclo: é a arte de andar sobre uma roda, o qual exige muita coordenação, equilíbrio e força, principalmente nas pernas e abdômen. Com duas semanas de treino diário o aluno já consegue andar para frente e para trás.

Devido à diversidade de movimentos, espaço e descontração das aulas de circo, as crianças se identificam muito com elas. Os exercícios iniciais são os de solo e rolamentos, que estimula o equilíbrio, coordenação e noção espacial, combate a timidez, controla a ansiedade, melhora a capacidade respiratória, valoriza o trabalho em equipe, o cooperativismo, a solidariedade, entre tantas outras qualidades, além de não deixar desaparecer a “arte e a alegria do circo”.

Se você se interessou pela arte circense poderá praticá-la também. Hoje em dia há inúmeras academias em diversas cidades brasileiras como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, que trabalham com estas aulas e também escolas como a Academia Brasileira de Circo.

Por Vanessa Salvador Marietto

Consultora de fitness

CREF 020396-G/SP

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente