Body balance - equilíbrio para o corpo e a mente

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Body balance  equilíbrio para o corpo e a mente

Praticar uma atividade física não faz bem apenas à saúde, mas também contribui para o nosso equilíbrio mental. Pensando nisso, muita gente deixa de lado a prática da musculação ou da ginástica localizada e procura algo mais relaxante, que traga benefícios harmonia ao organismo, além de flexibilidade e força.

Pilates, tai-chi-chuan ou ioga são algumas das técnicas que reúnem essa ideia. Em algumas academias, por exemplo, as três são praticadas na mesma aula. Chamada de Bodybalance, a técnica tem como principal objetivo o condicionamento postural por meio da sobrecarga do próprio corpo. “Ela não causa impacto, por isso atende às necessidades de muita gente: pessoas que trabalham muito tempo sentadas ou em pé, iniciantes ou sedentários, atletas acostumados a treinamentos intensos ou até mesmo pessoas em busca de mais inteligência corporal, bem estar e qualidade de vida”, explica Fernando Dutra treinador certificado pela Body Systems.

Dessa forma, crianças e idosos estão aptos a participarem das aulas. “Desde que não apresentem restrição imposta por médicos em casos de tratamento de lesões ou traumas”, acrescenta. Com a duração de uma hora, os alunos praticam exercícios para aumentar a resistência (alongamento da musculatura), a flexibilidade e a consciência corporal através do controle dos movimentos.

Durante a prática, há uma série pré-coreografada de alongamentos dinâmicos, equilíbrios e poses verticais, acompanhados por músicas suaves. Em todos os movimentos, a respiração é sempre controlada. “Quando ela é correta ajuda a melhorar o nível de oxigenação no sangue e controlar a intensidade dos movimentos, aumentando a eficiência dos exercícios da aula. Outro fator importante é que, por se tratar de uma respiração controlada, conseguimos estimular o sistema nervoso central de forma a reduzir os níveis de estresse, proporcionando mais calma, controle, concentração e consciência corporal do aluno”, explica Dutra.

Um dos benefícios que o treinador cita é o fortalecimento dos músculos: paravertebrais (coluna), internos e externos do abdômen (região do Core) que influenciam na sustentação de nossos órgãos internos e ajudam a controlar os desvios posturais. “Os exercícios de alongamento compensam o excesso de tensão na musculatura ajudando a diminuir dores e desconfortos”. Para a mente, a prática contribui na concentração, no equilíbrio e na redução do nível de estresse.

O gasto calórico não é tanto quanto body combat, karatê ou corrida, mas pode variar entre 200 e 500 calorias por aula. A queima varia conforme o sexo do aluno, sua idade e seu nível de condicionamento físico, mas não é o que se pretende com os exercícios.


“O que eu quero dizer é que, para um atleta de alto nível, perder 200 ou 300 calorias não será muito significativo, mas ao praticar a aula ele será beneficiado pelo fortalecimento seus músculos de sustentação, alongamento e recuperação da sua musculatura. Já para o iniciante ou sedentário, o gasto, mesmo que pequeno, já será significativo. Isso vai ajudá-lo a queimar alguma gordura corporal inicialmente, no entanto, é preciso mantê-lo no objetivo principal da aula e, futuramente, associá-la a outros programas de treinamento aeróbio no caso se a meta for perder peso”, finaliza.

Por Juliana Lopes

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente