Tempo de Despertar

Tempo de despertar

Foto: white-styled.blogspot.com/

Quando é tempo de apagar as luzes e recolher os copos, a realidade bate. O ano já acabou para a grande surpresa de todo mundo. O prazo é sempre o mesmo. E a velocidade com que ele vence, mais uma vez, foi demais para todos. Quando é tempo de tirar os sapatos e colocar as crianças na cama, o desespero assola.

O que eu fiz esse ano além de trabalhar? O que conquistei além de sextas-feiras? Sou melhor que quando o ano começou? Fiz tudo o que eu queria? Tenho a vida que gostaria?

Não sei quanto a você. Mas sempre tenho a sensação de que o relógio está passando e levando a minha vida consigo. A minha vida, não essa, sabe? Aquela vida que eu imaginava que teria nessa idade. Aquelas coisas que eu faria quando tivesse tantos anos. Ou que teria feito anos atrás, se não tivesse tido tão pouco tempo.

As viagens que eu poderia ter feito enquanto me preocupei em ficar em casa e crescer na carreira, as experiências que poderia ter vivido enquanto fui mais culta. Li mais, me informei mais, sempre soube mais. E o livro aberto que a minha vida poderia ter sido, enquanto o próximo ano está mais para uma sequência de versões 2, 3, 4...

Mas sabe de uma coisa?

Todos os dias, a gente faz o melhor que a circunstância permite. Tomamos pequenas decisões, com base em decisões maiores de vida. E essas grandes decisões não fazem sentido? Crescer na carreira não é um super-mega plano? Ter uma casa confortável, ter um bom carro, manter uma rotina - até onde controlamos - segura e estável não é planejar uma boa vida? Será mesmo que estamos remando na direção errada?

Então por que essa sensação de vazio, de imensa incompletude, quando o ano acaba?

Porque o plano geral está correto. A gente faz o que nossa história nos ensinou a seguir. E quando dá a louca e a gente inventa de largar tudo isso e mudar de vida, é tão inconcebível que não dá nem para dar o primeiro passo. Mais uma vez, o plano geral está certo.

As pequenas decisões é que matam. Por sorte, são fáceis de mudar. E se parar para pensar no tamanho que tem nas nossas vidas, de pequenas não tem nada.

Por exemplo, você come o que gosta de comer todos os dias? Você se exercita? Eu também odeio academia e morro de preguiça. Mas essa é uma pequena decisão que muda tudo. Por que diabos ir para a academia? Tem milhares de outras atividades, aposto que muitas são muito mais a sua cara, pergunte ao Senhor Google!

E quase todos os dias, você tem a oportunidade de fazer aquilo que te dá mais prazer? Estar com as pessoas que ama, se dedicar a você, conversar, dormir bem? Mas chega de falar de rotina.

Sabe de uma coisa? Não espere ganhar na loteria para mudar de vida. Sim, dá mais trabalho. Mas diferente daquilo que ganhamos fácil, o que vem, vem pra ficar. Ainda dá tempo.

Tempo de fazer a viagem dos seus sonhos. Tempo de se tornar quem você quer ser, sem se perder.

Queria ser mais radical? Final de semana. Queria ter mais música na sua vida? Curso noturno de piano e canto. Quer mudar de emprego? Currículo e botão "Enviar". Não está preparado para mudar de emprego? Curso noturno de qualquer habilidade desejada.

Estamos vivos. A mudança faz parte da natureza. Estamos nascendo, crescendo ou mortos. Por sorte, do primeiro dia de vida, aos 99 anos, estamos crescendo, falando, pensando, sonhando, e respirando.

E de quanto tempo você precisa para começar a viver?

Marianna Greca é publicitária e nerd assumida. Social Media, webwriter, tradutora e desenhista compulsiva. Tão louca por Internet quanto pela Ilíada. Acredita que assumir a maternidade do mundo é o melhor caminho para a felicidade.

Comente

Assuntos relacionados: ano novo fim do ano