TEDxAmazônia - Enxergar e viver melhor

TEDxAmazônia  Enxergar e viver melhor

No domingo, com o tema Enxergar melhor, Nelida Silva dançou e nos contou a sua história. Natural de um pequeno vilarejo no Peru, morou 15 anos em Nova York e continuou com o sonho de voltar as suas origens, como patrona da festa regional, e como só ouvimos boas histórias, é claro que ela conseguiu!

Julio Villanueva Chang é um jornalista atrás de notícias interessantes que envolvem anônimos, como por exemplo quem foi a última pessoa a completar a maratona de NY. Sempre surpreendente, entrevistou uma mulher, portadora de esclerose múltipla, de muletas, que continha a mesma felicidade do primeiro colocado ao cruzar a linha de chegada. Através da frase do facebook, que inicialmente questionava o que você está fazendo, e foi trocada por "No que você está pensando?", ele critica as respostas que encontra, por conter quase sempre conteúdo inútil. Com esse pensamento, o jovem de 23 anos , denomina a sua revista peruana Etiqueta Negra como "uma revista para distraídos".

O engenheiro com jeito de papai Noel, José Roberto Fonseca, desbravou o sertão e conseguiu criar um ambiente sustentável através da pimenta. O bioquímico Ken Goddard trabalha com perícia de crimes contra animais e nos mostrou a brutalidade e o desrespeito da nossa espécie que se sente única dona do planeta.

Um dos momentos de maior sensibilização do público nesse bloco, foi o fotógrafo Alexandre Sequeira, que visitou um vilarejo amazônico e registrou a imagem das pessoas além dos papéis da fotografia, em suas cortinas! Sensibilidade e beleza de ambas as parte, do fotógrafo e da comunidade que recebeu o projeto.

Ele mesmo estava indignado de como ninguém tinha pensado nisso antes... Nielsen Bastos transformou ambientes deixando-os mais luminosos com quantidades inferiores de lâmpadas, colocando calhas sobre elas. Os efeitos para o consumo chegaram a menos da metade! Stef Van Dongen criou uma piso de discoteca que capta energia das pessoas dançando, exemplos de economia na geração de energia a serem seguidos!

Carla Mayumi veio apresentar uma pesquisa "Qual é o sonho brasileiro?" e nos premiou com um resultado que nos enche de orgulho da nossa juventude, que já pensa coletivo quando se refere a qualidade de vida! Resumindo, o jovem acha que "Meu bem-estar depende do bem-estar do outro". E ainda orgulhosos da geração jovem que temos, Thiago Vinicius, de 20 anos, morador do bairro Campo Limpo em São Paulo, criou o banco Sampaio, um banco comunitário, que oferece microcrédito aos moradores da região. E envolvidos com os resultados apresentados, de que é possível fazer muito, Edgard e Felipe voltam ao palco lançando o desafio Oasis Mundi, para salvar os índios Kawahibas. Conheça a proposta e ajude também!

Para absorver tanta informação, nada melhor do que poesia. E Thiago de Mello estava lá para encher nossos olhos de lágrimas e abrir sorrisos com sua palavra e seu olhar. Simplesmente encantador!

O último bloco "Viver melhor" foi iniciado com a orquestra barroca de Manaus e foi seguido do palhaço Magnólio de Oliveira, que arrancou risadas e até uma dança do público. Seu projeto social leva muito riso e informação no estado do Pará.

"Não é possível resolver os nossos problemas com o mesmo modo de pensar que usamos para criá-los" Com esse pensamento de Albert Einstein, o consultor de permacultura André Luís Soares, volta no assunto do saneamento que preocupa ambientalistas de diversas regiões.

Manoel Cunha, líder comunitário e seringueiro do Amazonas, relata a vida de semi-escravidão que seu povo vivia antes da criação das reservas extrativistas, construídas com a força da comunidade. Algo que só se vê em filmes, sendo relatado ao vivo na nossa frente.

O ornitólogo Pedro Lima, fotografa aves e doa imagens para salvar vidas de pessoas com câncer e doenças psiquiátricas e difícil acesso para o tratamento. É o que ele chama de vida ajudando vida. Com o desmatamento, é o idealizador do projeto Minha casa, minha vida para os pássaros, construindo ninhos e casas para pássaros em canos de PVC. Mas ele nos alerta: educação ambiental não é palestra, é mudança de hábito!

A modelo Zoë Melo sentiu que ser objeto de estilistas não era o que ela desejava para sua vida após uma carreira internacional, largou tudo e fundou a Touch que promove produtos que tenham sido feito com matéria-prima de manejo sustentável.

O índio André Baniwa frequentou a escola dos brancos e quando retornou a sua aldeia sem nenhuma prática aprendida para sobreviver por lá ouviu do seu avô: "Os brancos te enganaram..." Então ele montou uma escola na comunidade que não só ensinasse teoria, mas principalmente como sobreviver lá.

O caçador de sons Gordon Hempton, ensinou que ouvir é com ouvido, mas escutar é com o coração. Exaltando a natureza que nos cercava, Gordon pediu que fosse desligado o ar condicionado e abrissem as portas, e ao invés de aplausos ao final de sua palestra ele pediu silêncio para exaltar a natureza. Esses minutos de silêncio que mostra o quanto temos que refletir sobre tudo o que vivemos, foram quebrados para almoçar e nos despedirmos para voltar rumo a selva de pedra, que precisa de tanta ajuda quanto a selva que visitamos.


E é claro na saída fomos coroados com uma tempestade que prolongou dentro do barco gostosas conversas entre um público cheio de assunto e sonhos!

Michelle Maneira é pedagoga, com pós-graduação em psicopedagogia e especialização em tecnologias educacionais, professora de educação infantil da rede pública.

Comente