Síndrome do fim do ano - livre-se do estresse!

Síndrome do fim do ano  livrese do estresse

Dezembro é de longe o mês dos excessos. Com os preparativos para o Natal, mais pessoas vão às ruas fazer compras. O trânsito também aumenta, sem contar às crianças que já estão de férias. E no trabalho, as tarefas também se multiplicam. Uma sobrecarga que traz sérias conseqüências, um delas é o estresse.

Uma pesquisa feita pela ISMA-BR (International Stress Management Association), associação internacional que estuda o estresse e suas formas de prevenção, confirmou o que já percebemos na prática. O estudo feito com 678 pessoas, de 25 a 55 anos (homens e mulheres, economicamente ativos), mostrou que 80% delas tem seu nível de estresse maior no final do ano.

"As causas disso passam pela sobrecarga de trabalho neste período, trânsito, solidão no período das festas e até pelos gastos adicionais com presentes e viagens", explica Ana Maria Rossi, presidente da ISMA-BR (International Stress Management Association).

Segundo a e coordenadora da pesquisa, os excessos se traduzem em sintomas físicos, comportamentais e emocionais, como insônia e problemas gástricos; aumento da irritação e ansiedade; e maior uso de medicamentos para regular a ansiedade e compulsão por comida. De acordo com o estudo, 60% dos entrevistados se dizem estressados pelo excesso de tarefas no trabalho e 25% acreditam que os gastos adicionais com presentes e festas aumentam seu nível de stress. Entre outros sintomas, 75% se sentem mais irritados e 80% mais tensos.

Geralmente é também nessa época que muitos pais trabalham enquanto os filhos já estão de férias. Quanto mais eles se esforçam para driblar os empecilhos do fim de ano e, ao mesmo tempo, serem pacientes e controlados, acabam explodindo em algum momento e descontando em seus filhos.

"Lidar com tudo isso nem sempre é fácil. A situação se complica ainda mais quando é preciso agüentar não só com nossas próprias irritações, mas também com a dos nossos filhos, que tendem a colocar para fora seus sentimentos de raiva mais facilmente", explica a psicóloga Maria Rocha. Nesses momentos, a dica da especialista é falar sempre a verdade e deixar claro o motivo da irritação deles. "Assim, ela aprende que existem meios menos violentos e socialmente aceitáveis de expressar suas emoções", aconselha.

Para evitar a tensão extra neste período, Ana Maria sugere exercícios de relaxamento e planejamento. "Não dá para mudar a situação. É preciso aprender a lidar com ela para que as tarefas se tornem prazerosas e não uma obrigação desgastante", afirma. Para isso, vale ir ao shopping durante a manhã, quando o movimento costuma ser menor, comprar pela internet, organizar a viagem de férias de fim de ano com antecedência e até dividir esta tarefa com outros familiares para evitar a sobrecarga.

Se você já está com a viagem marcada avalie e possibilidade de contratar uma assistência viagem. Segundo o PROTESTE, ele funciona como uma espécie de seguro. O pagamento é antecipado e caso você tenha algum imprevisto que está descrito no contrato, automaticamente poderá acionar a assistência.

Também nessa época, os excessos também acontecem na mesa, o que pode ser muito perigoso para quem tem hipertensão, arritmia ou depressão. Com as emoções mais exaltadas - no mesmo dia sentimos alegria ou tristeza por conta de fatos que aconteceram ao logo dos anos -, a mistura perigosa entre um cardápio cheio de sal e gordura com bebidas alcoólicas torna-se uma bomba relógio para quem sofre desses males, uma situação que recebeu até nome pelos americanos: "Holiday Heart Syndrome" (síndrome de fim de ano).


Portanto é hora de moderação. "Nos dias que antecedem os eventos, marcados pelo excesso de ingestão de calorias, o ideal é manter a dieta balanceada", sugere a nutricionista Daniela Guimarães. Após a comilança, uma dieta leve e a ingestão abundante de líquidos colaboram para o ajuste do organismo.

Por Juliana Lopes

Comente