Quando você está mais disposta?

Quando você está mais disposta

"Eu só funciono depois das duas". Você já deve ter ouvido alguém falando frases como essa durante o dia. Para algumas pessoas, o melhor é acordar bem cedinho, fazer uma caminhada e já começar as atividades diárias. Para outras, o melhor mesmo, pela manhã, é dormir e começar a rotina apenas depois do almoço - com a desculpa de "render mais". A diferença da disposição entre uma pessoa e outra é tão comum que, basta olhar para um amigo seu para perceber. Mas por que isso acontece?

A psicóloga e terapeuta floral Luciane Gerodetti, de São Paulo, diz que não é um, mas uma série de fatores que podem influenciar na disposição que cada um tem durante o dia. O primeiro deles pode ser o grau de entusiasmo com que uma pessoa leva a vida. "Uma pessoa que gosta de seu dia-a-dia, tende a se levantar com maior entusiasmo e motivação. Quem resiste a um trabalho, não gosta do que faz, ou está vivendo um momento difícil, tende a se levantar sem disposição. Pessoas deprimidas, por exemplo, acordam desmotivadas e sem ânimo", comenta.

Os ciclos biológicos de cada um também são um fator crucial para o entendimento de como o corpo reage durante o dia, já que eles são um reflexo do estado emocional e mental de cada indivíduo. "Existem pessoas que naturalmente funcionam melhor nas primeiras horas da manhã e outras rendem à noite", diz a psicóloga. Ela acredita que isso tem a ver com personalidade e com o estilo de cada pessoa. "Um atleta pode funcionar melhor de manhã e um poeta melhor de madrugada. Os ciclos do corpo acabam se organizando para suprir a necessidade e a busca de cada um".

A médica Dirce Perissinotti, também de São Paulo, defende que é preciso conhecer os próprios picos de melhor performance. "Se a pessoa sabe que para ela é mais fácil desenvolver o raciocínio lógico pela manhã, para quê deixa o trabalho relacionado às atividades reflexivas para à noite? A maioria não se observa e apenas repete e reproduz o que alguém disse que é bom", afirma.

Para ajudar nesse autoconhecimento, Luciane termina a entrevista deixando um bom exercício para observar o ritmo interno do corpo e ajudar na busca do equilíbrio. Você pode fazer todos os dias para dar uma ajudinha. É super fácil e não há nem desculpa para não tentar:

"Você pode ter um diário e anotar, de hora em hora, como se sente, e dar uma nota para sua disposição. Caso perceba que há um padrão envolvido no ciclo, vale a pena questionar tudo que está envolvido naquele horário: o que você vai fazer, quem vai encontrar, quais suas obrigações. É interessante também avaliar que existem pessoas no cotidiano que podem atuar como "vampiros de energia". Anote também a disposição que você sente quando encontra alguém ou quando vai a algum lugar. Você pode fazer isso em casa mesmo. Apenas feche os olhos, pense nas pessoas do seu dia-a-dia e anote a sensação que elas lhe trazem: de cansaço ou disposição. Repita isso com lugares. Existem lugares nutritivos e lugares que exaurem a energia. Esse exercício de percepção, além de altamente revelador, pode ser bastante divertido e interessante!"

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente