Qual o rumo da sua história?

Para mim, uma garota avançada, independente, diferente da mulher vista como modelo pela sociedade
Capitu

Foto - Reprodução/Divulgação

Toda escolha significa uma perda. Quantas vezes, ao longo da vida, ouvimos essa máxima que nos faz refletir sobre as decisões que tomamos, sobre as tantas que ainda iremos tomar e que juntas vão moldando um destino único, traçado por nós mesmas? Refletindo sobre isso, outro dia, fiquei pensando nas personagens femininas dos livros que marcaram minha vida. E não foram poucas. 


Marcaram porque, cada uma a seu jeito, fictícias ou não, acabaram transmitindo a sensação clara de que a vida nada mais é do que uma grande história que vamos escrevendo a cada dia. Página por página, temos o poder de dar o rumo que quisermos a esse roteiro, escolhendo caminhos, tomando decisões. E, convenhamos, as decisões na vida de uma mulher são sempre tãããããão mais difíceis a serem tomadas...!

Maternidade: agora ou depois? E quanto àquela proposta de trabalho fora do país? Mas, se eu aceitar, destruirei meu relacionamento... Sofrer para ficar magra ou conviver com minhas gordurinhas e sorrir para a caixa de bombons? O que fazer?Enfim, melhor nos atermos às personagens! Foi então que me lembrei da Capitu. 

Ah, essa menina Capitolina, com seus olhos de ressaca tão lindamente criada pelo maravilhoso Machado de Assis, me ensinou lá longe, na minha adolescência, como não se deixar comandar e como, de fato, uma mulher - ainda menina, na verdade, - que sonha e luta por seus ideais é capaz de causar verdadeiro horror à ordem! Anti-heroína? Assim julgam-na alguns. 

Para mim, uma garota avançada, independente, diferente da mulher vista como modelo pela sociedade.  Capitu é, sim, a minha preferida, mas também existem inúmeras outras personagens inspiradoras, como as sugeridas para esta coluna por algumas amigas, leitoras vorazes, mulheres inspiradas pela literatura. 

Uma delas, a Natália, lembra-me de Clarice Lispector narrando "A Quinta História", um conto no qual a autora faz um paralelo emocionante entre o asco feminino pelas baratas e o sentimento angustiante ao qual a vida muitas vezes nos remete. E assim, brilhantemente, Clarice nos leva a refletir sobre a coragem e a tomada de atitude perante as baratas que temos de matar para sobreviver dia após dia... 

Mais interessante ainda é saber que as personagens femininas dos livros são inspiradoras a ponto de influenciar o mundo masculino de uma forma altamente transformadora! Com vocês, meu amigo Lucas:"Não sei se a opinião de um rapaz valerá para ser usada (sim, Lucas, valerá!!!), mas achei relevante dizer algo. 

A personagem feminina que mais marcou a minha vida foi Elizabeth Bennet. Trata-se da protagonista de 'Orgulho e Preconceito', de Jane Austen, que eu li na altura dos meus 15 ou 16 anos. Foi escrito no final do século XVIII, e senti nas suas páginas a ousadia e ambição da obra na sua época. Elizabeth é a segunda filha de uma família grande. Tem várias irmãs e nenhum irmão. Numa estrutura social em que as mulheres eram criadas para atender à exclusiva função de servir de boa esposa, de ser prendada e obediente, a heroína nadava contra a corrente. 

Não buscava marido, falava o que pensava, buscava conhecimento e intelectualidade. É possível considerar a personagem um alterego da autora, que, em tal sociedade machista, morreu sem nunca casar ou ter filhos, e foi, na minha opinião, a maior personalidade literária britânica depois de Shakespeare. 

Com essa personagem, ampliei muito minha visão sobre assuntos como autonomia feminina e liberdade, e refleti sobre outras questões que, absurdamente, ainda estão enraizadas entre nós, como a função exagerada do casamento e a busca obsessiva por status".

Na nossa escrita, é claro, queremos sempre um final feliz. Mas cheguei à conclusão que felicidade é algo subjetivo demais. Será que a Capitu, a Clarice e a Elizabeth Bennet ficariam felizes com o mesmo 'happy end' para as suas personagens? Verdade é que nós mesmas podemos e devemos definir o rumo da nossa história.

Por Adriana Cocco

 

                 

 

Comente

Assuntos relacionados: clarice lispector mulheres escolhas