Práticas para evitar a contaminação por substâncias tóxicas

Evite intoxicação das crianças em casa

Uma organização de saúde do Canadá divulgou uma lista com dicas para que os pais evitem a contaminação de crianças por substâncias tóxicas em casa.

A campanha de conscientização do CPCHE, sigla em inglês de Parceria Canadense para o Ambiente e a Saúde da Criança, a respeito dos efeitos da poluição ambiental sobre o cérebro em desenvolvimento se aplica na prática aos pais de qualquer parte do mundo.

"Se os pais adotarem práticas simples podem reduzir significativamente a exposição dos seus filhos a substâncias tóxicas e até economizar dinheiro", disse Erica Phipps, diretora da organização. Veja quais são:

Poeira - Aspirar o pó ou passar pano úmido com frequência para eliminar poeira é a primeira recomendação dos especialistas.

A poeira em casa é uma grande fonte na exposição de crianças a substâncias tóxicas, incluindo o chumbo, que, mesmo em níveis baixos, é conhecido por prejudicar o desenvolvimento do cérebro.

O cérebro em desenvolvimento de um feto ou de uma criança é particularmente sensível aos efeitos neurotóxicos do chumbo, mercúrio e outras substâncias tóxicas. Uma criança absorve 50% do chumbo ingerido, enquanto um adulto, 10%, segundo os especialistas. Além disso, as crianças tendem colocar a mão na boca com frequência, o que aumenta ainda mais os riscos de que ela absorva essas substâncias tóxicas.

Produtos de limpeza - Os pais podem reduzir o grau de exposição da família a produtos químicos tóxicos e economizar dinheiro ao optar por produtos de limpeza mais ecológicos.

O bicarbonato de sódio pode ser usado para esfregar banheiras e pias, e vinagre diluído em água funciona bem para limpar janelas, chão e outras superfícies, lembraram os especialistas.

Evitar o uso de purificadores de ar e optar por sabão sem perfume para lavar roupa pode reduzir a exposição das crianças a substâncias químicas usadas na fabricação de fragrâncias associadas, em estudos, a distúrbios nas funções hormonais. Reforçando recomendações feitas por entidades médicas, entre elas, a Associação Médica Canadense, os especialistas também desaconselharam o uso de sabão antibactericida.

Reformas - Quando houver reformas em casa, mulheres grávidas e crianças devem ficar longe das áreas afetadas pela obra.

Isso evita sua exposição à poeira resultante da reforma contaminada por substâncias tóxicas e aos gases tóxicos liberados por tintas, cola e outros produtos. Áreas não afetadas pela reforma devem ser cuidadosamente isoladas com o uso de plásticos. E a poeira deve ser aspirada durante e após a obra.

Plásticos - Certos plásticos devem ser evitados, especialmente quando se serve ou guarda alimentos. Os especialistas canadenses advertem os pais contra o uso de vasilhas de plástico ou de embalagens plásticas no micro-ondas, mesmo quando a etiqueta diz que o produto é seguro para uso no micro-ondas.

Produtos químicos presentes no plástico podem contaminar o alimento ou a bebida, explicam.

Comer alimentos frescos ou congelados sempre que possível reduz a exposição ao Bisfenol A, presente na maioria das embalagens de comida e bebida.

O produto está associado a uma ampla gama de problemas de saúde, entre eles, problemas de desenvolvimento no cérebro e disfunções endócrinas. Os especialistas também alertam contra produtos feitos de PVC, também conhecido como vinil. Ele contém um tipo de substância química chamada ftalato, que está associada a diversos problemas de saúde. Ftalatos podem ser encontrados em cortinas de banheiro, babadores e até capas de chuva. Os especialistas aconselham que os pais joguem fora brinquedos e mordedores feitos com este tipo de plástico.


Peixes - Para reduzir a exposição das crianças ao mercúrio, um metal que é tóxico para o cérebro, os especialistas aconselham que sejam escolhidas variedades de peixe que absorvam menos mercúrio, como truta, arenque, salmão selvagem ou em lata e tilápia.

Por Jessica Moraes

Comente