Plantas tóxicas: fique longe delas!

plantas tóxicas

Comigo-ninguém-pode

As plantas tóxicas podem ser um perigo à nossa saúde e dos animais. Se ingeridas podem causar irritação na pele, enjoo, vômitos e falta de ar.

Elas acontecem por uma defesa natural da planta, como fazem os animais predadores. É o que explica a paisagista e especialista em jardinagem orgânica e Feng Shui, Marizeth Estrela. "Os espinhos, os insetos e a própria toxidade das plantas são fatores para dar equilíbrio à natureza e manter o ciclo de vida e morte. Isso deve ser visto com naturalidade", descreve Marizeth.

Para se ter uma ideia, plantinhas inocentes e bastante conhecidas do tempo da vovó podem representar perigo. Elas são facilmente encontradas em vasos, jardins, parques, praças e outras áreas verdes.

Como exemplo, Marizeth lista a mamona, azaleias, copos-de-leite, alamandas e o bico-de-papagaio. A comigo-ninguém-pode e espirradeira são perigosas pela toxidade que têm em suas propriedades.

Já a dama-da-noite deve ser evitada colocá-la próximo a janelas de dormitórios, principalmente em quartos de pessoas sensíveis e crianças. Isso porque a fragrância é uma dos mais fortes entre as plantas, podendo causar enjoos. As flores atraem diversas espécies de abelhas, beija-flores e borboletas.

A paisagista informa que a intoxicação por plantas (folhas, frutos e sementes) acontece por desconhecimento do potencial tóxico da espécie. Não se sabe ao certo o quanto algumas espécies podem ser perigosas. Por isso, acredita que o acesso a espécies tóxicas deve ser limitado e, desde cedo, as crianças orientadas a não colocarem plantas na boca.

"É natural que os animais fucem a terra e as crianças, pela curiosidade aguçada ou pela fase de levar tudo à boca, acabem ingerindo terra, daí a importância da prevenção", orienta.

A melhor alternativa para evitar incidentes com plantas é optar por espécies atóxicas dentro de casa ou no jardim. Em um projeto de paisagismo, a especialista diz que os profissionais devem levar em consideração o perfil dos moradores e avaliar se plantas que atraem insetos como pulgões, abelhas e marimbondos. Ou se possuem espinhos grandes ou folhas pontiagudas devem ser opções ornamentais.

Adubos como a torta da mamona não devem ser usados. A preferência deve ser por substratos orgânicos livres de toxidade.

Quem é adepto do ‘faça você mesmo’, considerem esses cuidados. E caso partes da planta sejam ingeridas ou entrem em contato com os olhos ou com as mucosas, vá ao médico. "Se possível, leve parte da planta ingerida para que os médicos possam identificá-la e indicar o tratamento adequado", finaliza.

Quais plantas tóxicas evitar?

Pela toxidade: comigo-ninguém-pode, alamanda, mamona, espirradeira, mandioca-brava, chapéu-de-napoleão, avelós, guiné, carambola, jasmim, manga, leiteiro vermelho.

Pelos espinhos: coroa-de-cristo, fênix, cactos, babosa, Azevinho, Asparagus.

Folhas pontiagudas: agaves, yuccas, raphis.

Atração de insetos: lantana, camarão amarelo, camarao vermelho, dama-da-noite, manaca-de-cheiro.

Prefira as atóxicas

Em geral, as plantas frutíferas tipo laranjinha kinkan, limão siciliano, jabuticaba; plantas que formam hortas e ervas como lavanda, alecrim, hortelã, calêndula, alisso.

Outras variedades comuns são as comumente usadas em jardins sensoriais (feito para deficientes visuais) e jardins terapêuticos (infantis ou para adultos).


Por Natália Farah

Comente

Assuntos relacionados: plantas jardim paisagismo mudas