O poder dos Chakras para o equilíbrio do corpo e da alma

O poder dos Chakras para o equilíbrio do corpo e d

Você já deve ter visto diversos tratamentos com pedras e cores que prometem ativar os chakras e melhorar o equilíbrio e bem-estar do indivíduo. Mas, afinal, o que são os chakras? A palavra vem do sânscrito e significa "roda". São centros de energia, localizados em pontos distintos do ‘perispírito’ - envoltório que faz a ligação corpo-espírito.

No corpo material, esses pontos correspondem aos centros nervosos, chamados de plexos. Segundo a psicanalista e terapeuta Elizabeth Mednicoff, da Clínica Novo Equilíbrio, de São Paulo, os chakras são capazes de captar, acumular e distribuir energia para o corpo e é essa energia que vai trazer benefícios ou malefícios ao organismo e ao ambiente que circunda o indivíduo.

"Os chakras servem como receptores de todas as vibrações de energia e informações que ultrapassam a esfera física. Eles também irradiam energias diretamente no meio ambiente, alterando, desse modo, a atmosfera ao nosso redor. Através deles, podemos emitir vibrações de cura, bem como mensagens conscientes ou inconscientes, e influenciar pessoas, situações e até a matéria, tanto no sentido positivo como no negativo", afirma.

Segundo a profissional não existe um ponto do corpo que não tenha um órgão sensível para a recepção, transformação e transmissão de energias. São encontrados 88 mil chakras, mas somente sete deles [leia abaixo] são popularmente conhecidos e considerados principais. "Eles se encontram ao longo de um eixo vertical, na parte dianteira do tronco, e são tão decisivos para o funcionamento das regiões fundamentais e mais importantes do corpo, da mente e da alma do homem que devem ser trabalhados individualmente."

Como o próprio nome diz, os chakras estão em permanente movimento circular, como uma roda. "O movimento faz com que a energia seja atraída para o interior", comenta a terapeuta.

Como dito anteriormente, cada chakra é responsável pelo equilíbrio de um órgão ou glândula. Eles variam de cor, brilho, diâmetro, aparência, som e vibração, possuem o formato parecido com uma flor de lótus e não são visíveis ao corpo humano, exceto se o indivíduo possuir um grau de consciência elevado. Ou seja, quanto mais consciente e evoluído é o indivíduo, maior, mais puro e equilibrado é o seu chakra.

Homens e mulheres possuem chakras em movimento, porém eles são contrários. Enquanto que um está girando para a esquerda, no outro ele gira para a direita. Além disso, cada movimento possui um significado. Quando giram para um lado, os chakras retêm energia, mas quando acionados para o lado oposto, eles a irradiam a energia para o corpo todo.

A especialista conta que, para ativar os chakras, existem diversas formas. "Podem ser através do contato com a natureza, terapia dos sons, das cores, com pedras e cristais, através de essências da aromaterapia, com o ioga, com massagens na zona de reflexo dos Chakras e através da visualização", diz. "O conhecimento dos chakras poderá ser de uma ajuda inestimável para o autoconhecimento, e uma vida mais plena, saudável e feliz", completa.

Os Chakras e sua localização

- Primeiro Chakra: Básico ou Genérico, fica localizado entre o ânus e os genitais. Elizabeth explica que, quando ativado, possui a cor vermelha. No corpo físico, é responsável por equilibrar tudo o que é duro: coluna vertebral, ossos, dentes e as unhas, e também o ânus, o reto, o intestino grosso, a próstata, o sangue e a construção celular. As glândulas correspondentes são as supra-renais, que produzem a adrenalina e a noradrenalina.

- Segundo Chakra: Mesentérico ou Esplênico. "Quando ativo tem a cor laranja e está localizado acima dos genitais", diz a especialista. Esse chakra é ligado ao cóccix. No corpo material, ele corresponde aos quadris, órgãos de reprodução, rins, bexiga; tudo o que é líquido, como a linfa, o sangue, os sucos digestivos, o esperma além das glândulas sexuais - ovários, próstata e testículos.

- Terceiro Chakra: do Plexo Solar ou Gástrico. Quando ativo, ele possui a cor amarela e está localizado cerca de dois dedos acima do umbigo. No corpo, corresponde a parte inferior das costas, cavidade abdominal, sistema digestivo, estômago, fígado, baço, vesícula biliar, sistema nervoso vegetativo. "A glândula correspondente é o pâncreas - desempenha o papel de transformação e digestão dos alimentos", afirma Elizabeth.

- Quarto Chakra: Cardíaco, de cor verde, quando ativado. Ele está localizado na altura do coração, bem ao meio do peito. Suas correlações físicas são o coração, a parte superior das costas - junto com o peito e a cavidade torácica - a área inferior dos pulmões, o sangue e a circulação sanguínea e a pele. A glândula correspondente é o timo. "Ele regula o crescimento e dirige o sistema linfático", explica a psicanalista.

- Quinto Chakra: Laríngeo. Ele possui a cor azul, quando ativo, e está localizado entre a cavidade do pescoço e a laringe. "Ele nasce na altura da vértebra cervical", conta Elizabeth. No corpo, corresponde à região da garganta, da nuca e do queixo, ouvidos, órgãos da fonação (voz), traqueia, brônquios, região pulmonar superior, esôfago, braços. "A glândula correspondente é a tireóide, que desempenha papel importante no crescimento do esqueleto e dos órgãos internos, cuida do equilíbrio entre o crescimento físico e o mental e regula o metabolismo", afirma a especialista.

- Sexto Chakra: Frontal ou Cerebral, também conhecido como o "Terceiro Olho". Quando ativo tem a cor índigo e fica localizado um dedo acima da base do nariz, no meio da testa. Suas correlações físicas são rosto, olhos, ouvidos, nariz, cavidades adjacentes, cerebelo e sistema nervoso central. A glândula correspondente é hipófise - "conhecida como a glândula mestra, porque dirige, através da sua atividade secretória interna, a função das demais glândulas".


- Sétimo Chakra: Coronário, de cor violeta, quando ativo. "Está localizado no ponto mais alto, no centro externo da cabeça, no topo da cabeça", afirma Elizabeth. Este chakra faz uma correlação física diretamente com o cérebro e a pineal (glândula, também chamada de epífise).

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente