Mulheres são maioria nos protestos na Turquia

Mulheres são maioria nos protestos na Turquia

Foto: Reprodução/ Facebook/ Occupy Gezi

Uma mulher vestida de vermelho e recebendo um jato de spray de pimenta no rosto tornou-se um símbolo internacional de recentes protestos da Turquia. Por lá, as manifestações que já duram um mês são compostas por mulheres que lutam, entre outras coisas, pelo direito de serem ouvidas.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Empresa Konda da Turquia, 51% dos manifestantes no Taksim Gezi Park são do público feminino. Em entrevista ao site "Women in the World", a manifestante Sezen Yalçin desabafou: "Esse protesto não é apenas formado por homens, as mulheres estavam lá desde o começo."

Sezen contou que o parque é perigoso à noite, o que salienta o desejo das mulheres de participarem dos protestos. "Para as mulheres é duas vezes mais importante que os homens retornem aos esses lugares. Elas também querem caminhar com segurança à noite e de reivindicar os espaços públicos."

Os protestos femininos na Turquia possuem vários objetivos. Além de promover a luta pela manutenção do parque, elas aproveitam para criticar o governo de Tayyip Erdogan. Afinal de contas, as mulheres ocupam apenas 14% dos assentos no parlamento. Sem contar que o primeiro ministro restringiu aborto e sugeriu que numa família ideal a mulher se limita a ser dona de casa e tem, no mínimo, três filhos.


"Mesmo as pessoas que não fazem parte do movimento feminista também levantam a voz contra Tayyip Erdogan. Esse tipo de agitação das feministas é agora parte do discurso de outros grupos também", comemora Sezen Yalçin.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente