Mulher tem a vida clonada nas redes sociais por três anos

Por três anos, Ruth teve a vida clonada e distorcida na rede. Seu marido era chamado de 'ex-namorado psicótico" pela impostora
Ruth-palmer-clone-internet

Foto - Reprodução/Instagram

Imagina se você descobre que tem alguém fingindo ter a sua vida nas redes sociais. O que faria? Este foi o drama vivido pela britânica Ruth Palmer, que teve a identidade clonada na internet por nada menos que três anos.


Isso mesmo! Por todo este tempo uma pessoa anônima vinha roubando fotos suas, de parentes e de amigos em redes sociais para criar perfis impostores, que se comunicam entre si. Estranho não é?

A pessoa que se passava por Ruth levava o nome de Leah Palmer. A verdade veio à tona quando uma das amigas da época de faculdade de Ruth perguntando sobre uma foto. A mulher se espantou ao perceber que a conta em questão não era dela.

"Parecia uma foto de quatro anos antes com alguns amigos da faculdade. Mas era na verdade uma captura de tela de uma conta de outra pessoa no Instagram", disse.

Até o próprio marido de Ruth, Benjamin Graves, tinha entrado na paranóia da impostora, que o descrevia como "ex-namorado psicótico".  A 'clone virtual' ainda por cima se relacionava com pelo menos seis outros homens nas redes. Um deles, inclusive, havia até mesmo terminado um noivado para ficar com a 'Leah'. Dá para acreditar?

Ruth-palmer-clone-internet

Foto - Reprodução/Instagram

Ruth e sua amiga encontraram ainda várias outras fotos. Ela telefonou para os dois números que "Leah" havia dado a estes homens.

"O primeiro chamou, e ela atendeu. Eu disse 'oi', e ela desligou", conta. "Uma semana depois, os dois números estavam desativados."

Preocupada, ela entrou em contato com as empresas que administram as redes sociais, que eliminaram os perfis. Os esforços foram praticamente em vão, porque pouco tempo depois, novas contas já haviam sido criadas para sustentar a farsa.

Ruth-palmer-clone-internet

Foto - Reprodução/Instagram

Ruth decidiu divulgar o caso para chamar a atenção contra este tipo de prática criminosa. "O que pode ser feito quando algo de errado acontece nas redes sociais? É preciso ter apoio ou haver uma mudança nas leis", defende ela.

Uma das coisas mais preocupantes de todo o caso, é que segundo a mulher, suas configurações de privacidade estão sempre trancadas ao máximo, justamente para evitar que pessoas estranhas tenham acesso à detalhes de sua vida. 

Mesmo assim as fotos foram roubadas por três anos, o que só pode significar uma coisa: um amigos de Ruth é o grande vilão da história. Parece até coisa de novela!

Enquanto seu perfil real tem 140 seguidores no Instagram, Leah tem mais de 800 em sua conta, onde já publicou mais de 900 fotografias.

Ruth-palmer-clone-internet

Nos comentários, uma das amigas de Ruth defende a amiga. " Sua maluca, está não é você". Foto - Reprodução/Instagram

Incrível não é?

Por Thamirys Teixeira 

Comente

Assuntos relacionados: internet segurança