Decoração de Natal - regras para condomínios

Decoração de Natal  Regras

Foto: Gwen Rodgers/Corbis

Muitos prédios e condomínios residenciais de São Paulo entraram no clima natalino e enfeitaram as fachadas de apartamentos, portaria e jardim. Mas para que a decoração, desde a tradicional ate a mais contemporânea, saia perfeitinha, é necessário que haja um planejamento bem antecipado.

Segundo Márcia Romão, gerente de relacionamento da Lello Condomínios, a despesa da decoração é dividida entre todos os moradores, desde que estejam de acordo com a proposta. "É muito difícil alguém discordar da decoração ou dos preços estipulados, pois uma comissão já averiguou o que é melhor para todos. Sendo assim, todo e qualquer custo é repartido", relata.

Nos casos em que os condôminos optaram por utilizar a decoração do ano anterior, o sindico apenas faz os reparos necessários nos enfeites. "Esses consertos, normalmente, não têm valores tão expressivos e, por este motivo, o próprio síndico, na maioria dos casos, paga do seu bolso", afirma a gerente.

Ela ressalta que a decoração da área externa e do hall de entrada precisa ser padronizada e com produtos de qualidade para que os mesmos não se desgastem até a data festiva. "As varandas e portas de apartamentos podem ter decoração a escolha do condômino, como guirlandas e lâmpadas. No entanto, nas sacadas é preciso estipular as cores para que não fique nada muito colorido", ensina.


Para Angélica Arbex, gerente de Marketing da Lello, os projetos de iluminação do espaço precisam contemplar a economia de energia. Essa prática evita emendas ou gambiarras que possam provocar sobrecarga nas instalações elétricas do condomínio e, consequentemente, tirar a beleza do enfeite. "O hall é lugar de grande circulação de pessoas. Nesse caso, menos pode significar mais", observa.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente