Algas marinhas têm propriedades contra envelhecimento

Algas marinhas têm propriedades contra envelhecime

Uma alga marinha conhecida como Chrondus Crispus, originária da Irlanda, sobrevive a condições adversas, como baixa luminosidade e frio intenso e tem propriedade funcional contra envelhecimento. Alguns pesquisadores afirmam que o ativo extraído dessa biomassa é superior às vitaminas C e E, promovendo ação antienvelhecimento, anti-inflamação, antioxidação, hidratação, cicatrização etc.

A última novidade em ativos multifuncionais para uso tópico vem das águas geladas do Mar Ártico. A Chrondus Crispus é um musgo vermelho que vive nas profundezas do oceano. Sua sobrevivência só é possível devido à concentração de peptídeos, que dão origem às altas concentrações de proteínas, utilizadas pelas algas como fonte de energia, durante as baixas temperaturas do oceano.

Por ser utilizado para tratar diversas doenças, foi observado o ciclo de reserva de energia dessas algas por uma empresa francesa especialista na geração de tendências por meio da alta tecnologia para desenvolver princípios ativos para a área cosmética. Os pesquisadores criaram o Bio Detox, a partir da alga, substância para a incorporação em produtos dermocosméticos.

A farmacêutica e consultora Técnica da Biotec Dermocosméticos, empresa brasileira que trouxe o lançamento ao Brasil, Mika Yamaguchi explica que o ativo dessa alga pode oferecer muitos benefícios à pele. "Ele atua como um anti-idade, protege contra as agressões do meio ambiente, auxilia na cicatrização cutânea, na hidratação, é um antioxidante superior as vitaminas C e E, estimula o crescimento celular que, por conseqüência, proporciona a produção de colágeno, além de oferecer maior capacidade de produção de ATP, isto é, mais energia para a célula," disse.

A alga sobrevive ao forte inverno e a pouca luminosidade devido à alta concentração de citrulil arginina, um aminoácido presente nos processos do sistema cardiovascular e nas reações imunológicas, e taurina, também um aminoácido conhecido por sua ação energizante e protetora do DNA. Esses aminoácidos não são essenciais no organismo humano, mas são fonte de energia celular.


A farmacêutica lembra que a alga marinha tem uma boa concentração de outros componentes que confere mais benefícios à pele, ou seja, elementos próprios da espécie que aumentam a resistência celular, até mesmo quando acontece a redução de gelo, por volta do mês de março, considerado o período mais crítico para a sua sobrevivência.

Por Catharina Apolinário

Comente