A ecologia da mente

Há algum tempo tenho me questionado sobre a falta que a reflexão faz em nossa vida. Se não refletimos, não encontramos as verdadeiras causas dos nossos problemas nem podemos mudar aquilo que não dá certo na vida.

Nem sempre é por preguiça ou falta de hábito que as pessoas deixam de praticar a reflexão. É porque têm a mente demasiadamente ocupada por idéias pré-concebidas, idéias fixas, idéias obsoletas, idéias alheias, idéias que não servem para nada... Entulho mental, eu diria.

Tem gente que não recicla sua forma de pensar, e assim não se percebe nem se abre para aprender coisas novas, evoluir. Isso me faz lembrar a parábola do mestre que chamou seu discípulo para a cerimônia do chá. Depois de preparar cuidadosamente a bebida, o mestre começou a despejá-la numa xícara. Só que em vez de suspender a chaleira quando a xícara estava cheia, continuou despejando o chá, que transbordou e começou a se espalhar pelo chão. Incomodado, o discípulo disse: "Mestre, o chá está transbordando!". Então o mestre, com o seu jeito zen, disse ao discípulo: "A xícara de chá é como a mente. Só podemos enchê-la se ela estiver vazia".

Quer dizer: se quisermos evoluir, precisamos abrir espaço para novas idéias, novas percepções, reflexões. Outra interpretação dessa parábola sugere que sejamos capazes de esvaziar a mente de vez em quando, o que se consegue fazer com a meditação. Criar momentos de completo silêncio mental é uma prática que relaxa, equilibra, acalma, faz bem até para o corpo. Vale a pena você estudar um pouco o assunto.

Ao praticar a reflexão, a reciclagem de idéias e a meditação, você estará preservando a ecologia da sua mente. Ecologia sim, porque esse é um conceito que tem a ver com equilíbrio, crescimento, renovação constante, harmonia.

Se na natureza nada prospera num ambiente estagnado e entulhado, como poderia a sua vida prosperar se você não renova sua mente?

Colunista do Vila Sucesso e Vila Equilíbrio, Leila Navarro é palestrante motivacional e comportamental, além de ser empresária e Presidente do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Capital Humano.

Comente