Flacidez também é tratada no consultório dentário

Flacidez também é tratada no consultório dentário

Se os olhos são as janelas da alma, o sorriso também mostra muito dos nossos sentimentos e se trata da segunda parte mais visível do rosto, por isso considerado nosso cartão de visitas.

A estética da boca, a posição da mandíbula e dentes traz uma harmonia perfeita a fim de transmitir uma boa imagem, tão valorizada hoje em dia. Por isso é crescente o número de pessoas em busca de um dentista especialista em estética, que a partir de intervenções consideradas simples, ele corrige problemas até então sem solução para muita gente.

Para se ter uma ideia, esta área da odontologia pode até ajudar na solução de problemas como a flacidez, isso somente na área chamada de terço inferior (região do nariz ao queixo), nomenclatura que divide a cabeça em três partes para objeto de estudo. "Por meio de uma análise observamos a posição dos dentes, principalmente se estão desgastados. Em muitos casos não é possível resolver a flacidez nessa região através de procedimentos estéticos. Primeiro o tratamento deve ser internamente, na boca, para a ação ocorrer na pele e ter resultados", explica o Bráulio Paolucci, especialista em Implantologia e Reabilitação Oral pela Universidade de Paris.

O bruxismo, quando ocorre o desgaste dos dentes, é um dos problemas mais associados à flacidez. A razão é simples. O ranger dos dentes faz com que eles diminuam de tamanho e, consequentemente, a altura vertical entre o nariz e o queixo também é reduzida. Dessa forma, os chamados tecidos moles se retraem e a pele nesta região fica flácida.

Quem é portador do bruxismo também costuma contrair os músculos da mastigação, o que compromete a articulação temporo-mandibular, uma das mais usadas em todo corpo por abrir e fechar até duas mil vezes ao dia, quando nós falamos, mastigamos ou deglutimos.

"No bruxismo, a Articulação Temporomandibular (ATM), também pode ser comprometida com estalos, travamento de abertura e fechamento da boca e até provocar desvios laterais nesses movimentos, além de quadro doloroso que ocasiona desgaste dos dentes, que pode chegar ao tecido gengival", explica Pedro Luiz Pitarello, cirurgião buco-maxilo-facial do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André.

A correção do mal pode incluir a aplicação de facetas ou coroas, conforme casa caso, que garante um rosto livre de vincos e papadas. O queixo deixa de ficar caído ou para dentro, sem o bigode chinês.

Conforme Paolucci, problemas alimentares ou mesmo a bulimia provocam acidez na boca e estômago e removem o esmalte dos dentes, isso associado a outros problemas, também interferem na perda do tamanho dos dentes, que, com menos altura, contribuem para a pele ficar flácida.

O dentista lembra que se as mandíbulas inferiores são menores que as superiores, a região também corre o risco de ficar mais caída. A correção é feita através da cirurgia ortognática, responsável por aumentar as dimensões do local.

"O mau posicionamento dos dentes é importante ser citado. Os mais voltados para o céu da boca deixam de ter o suporte dos tecidos moles, neste caso o tratamento é feito com um ortodontista para a correção", acrescenta o dentista.

Próteses dentárias mal confeccionadas também interferem na flacidez na região da boca e queixo. Paolucci explica que elas não dão suporte aos tecidos moles, além de não estimularem a mastigação. "Pessoas que usam próteses também recorrem aos alimentos mais macios e perdem a tonicidade da musculatura, neste caso, indicamos um fisioterapeuta que vai estimular a mastigação".

leia também


A flacidez não é a principal causa para o uso das correções odontológicas, mas ela está associada a outros fatores que fazem muita gente procurar os consultórios. "Especialistas em reabilitação oral são os mais indicados para observar a relação entre problemas bucais e pele flácida, mas muitas vezes o próprio dentista dá o diagnóstico e indica procurar um profissional especializado nessa área", finaliza. A partir daí é buscar um dermatologista que irá indicar o tratamento mais adequado ao seu tipo de pele. E já buscar a prevenção desde cedo.

Por Juliana Lopes

Comente