Cuidado com os cremes rejuvenescedores

Cuidado com os cremes rejuvenescedores

Foto: © Jamie Grill/Tetra Images/Corbis

A busca pelos cremes rejuvenescedores é cada vez maior, até mesmo devido ao forte apelo que eles possuem, pois prometem cada vez mais benefícios e em pouco tempo. O alerta maior vai para os cosméticos que possuem ativos que podem prejudicar a saúde

Em contrapartida da grande variedade de produtos e promessas, o consumidor pode ficar confuso e não saber escolher o melhor produto. "Há tantas opções e ofertas de resultados rápidos que, sinceramente, não sei qual cosmético comprar. Portanto, acabo optando pela marca e preço, por ter visto em alguma revista ou na televisão", confessa a Auxiliar Administrativa, Alessandra Noiman.

É aí que mora o perigo. Para a Dra. Anelise H. Leite Taleb, Farmacêutica e Consultora Técnica da TAVE, muitos desses produtos podem conter ingredientes potencialmente perigosos para a saúde, cientificamente comprovados. "São ativos que, quando em contato diário com o corpo, podem provocar desde irritações e alergias cutâneas, até mesmo doenças mais graves, como o câncer", alerta Anelise.

Um das maneiras para tentar fugir dessa enxurrada de ativos noviços à saúde é conhecer um pouco desses ingredientes e optar pela prescrição, quer dizer, produto manipulado e personalizado. "No manipulado, é possível inserir ativos naturais e seguros, fugindo da composição padrão dos industrializados. Além disso, o manipulado oferece outros benefícios. Numa mesma fórmula, por exemplo, pode-se tratar dois ou mais problemas como, por exemplo, envelhecimento, desidratação e manchas", lembra a farmacêutica.

Veja a seguir, alguns dos ingredientes mais perigosos

Conservantes Liberadores de Formol

Muitos cosméticos utilizam na formulação algum tipo de conservante que libera formol na pele. Um estudo realizado no Departamento de Dermatologia da Universidade de Debrecen, Hungria, e publicado no periódico "Experimental Dermatology", em maio de 2004, revelou que o formol pode contribuir para o aparecimento de câncer induzido pela radiação ultravioleta do sol. Para a segurança do consumidor, é bom observar cuidadosamente os rótulos, procurando as seguintes substâncias: quatérnium-15, diazolidinil hora, imidazolidinil ureia e DMDM hidantoína.

Óleo Mineral e Outros Derivados do Petróleo

Os óleos minerais estão presentes na maioria dos produtos cosméticos, devido a sua propriedade emoliente, ou seja, hidratante para a pele. Entretanto, estudos recentes vêm associando esses componentes ao aumento da mortalidade por diversos tipos de câncer, como o de pulmão, esôfago, estômago, linfoma e leucemia. Isso é devido à presença de um composto chamado 1,4-dioxano, uma substância cancerígena, como relata estudos publicados nos periódicos "American Journal of Industrial Medicine" (Departamento de Epidemiologia, Escola de Saúde Pública, Los Angeles, CA outubro de 2005), "Contact Dermatitis" (Departamento de Dermatologia, Nagoya City University Medical School, Japão, abril de 1989) e "Regulatory Toxicology and Pharmacology" (outubro de 2003). Procure no rótulo palavras como: paraffin oil e mineral oil.

Parabenos

Um estudo realizado na Universidade de Reading, Reino Unido, e publicado em janeiro de 2004 no Journal of Applied Toxicology, os parabenos apresentam propriedades estrogênicas, ou seja, se comportam como se fossem um hormônio feminino: o estrógeno. O mercado possui conservantes naturais ou mais modernos que demonstraram segurança, permitindo aos formuladores o desenvolvimento de produtos mais seguros. Os parabenos em produtos cosméticos destinados à aplicação na área axilar (como desodorantes, por exemplo) devem ser reavaliados, pois estudos recentes levantaram a hipótese de que o seu uso nessa região pode estar associado ao aumento da incidência de câncer de mama, o que foi confirmado em teste realizado recentemente. Os parabenos podem ser identificados nas formulações dos cosméticos e desodorantes com diversas nomenclaturas: Parabens, Methylparaben, Ethylparaben, Propylparaben e Butylparaben.

Propilenoglicol: Risco de alergias

O propilenoglicol é um produto utilizado como diluente de outras substâncias, usado em uma ampla variedade de cosméticos. O perigo no seu uso está ligado aos problemas de pele como alergias e irritações. Um estudo realizado com 45.138 pacientes na Universidade de Göttingen, Alemanha, e publicado no periódico "Contact Dermatitis", em novembro de 2005, confirmou o potencial sensibilizante (potencial para causar alergias) do propilenoglicol, confirmado também pelo Departamento de Dermatologia do Hospital Osaka Red Cross, Japão, e publicado no periódico "International Journal of Dermatology", também em 2005. Para saber se o seu produto cosmético contém propilenoglicol na composição, verifique a palavra propylene glycol no rótulo da embalagem.

Ureia

Um dos hidratantes mais utilizados em cosméticos é a ureia, tanto pela sua eficácia, quanto pelo seu baixo preço. Mas vale lembrar que a ureia é proibida para mulheres grávidas, pois a ureia penetra profundamente na pele e tem a capacidade de atravessar a placenta, podendo chegar até o feto em formação, ocasionando graves consequências ao bebê. A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determina que todas as vezes que um produto tiver na sua composição ureia em dosagens maiores que 3%, ele deve conter no rótulo o seguinte alerta: "Não Utilizar Durante a Gravidez". A ANVISA ainda resolveu proibir a fabricação de cosméticos que contenham em sua composição mais de 10% de ureia.


Por Vila Mulher

Comente