Sol causa danos à pele até três horas após exposição

Estudos recentes comprovam que as células da pele continuam a sofrer com ação dos raios ultravioleta mesmo depois de você ter saído do sol
Sol causa danos à pele até três horas após exposição

Tomou sol demais e acha que dar um tempinho debaixo da sombra irá te proteger? Ledo engano! Segundo pesquisa publicada na revista Science a maior parte dos danos causados às células da pele por meio dos raios ultravioleta ocorrem bem depois de não estarmos expostos ao sol. 

Pois é, o vilão desse processo, até então desconhecido, é a melanina, um pigmento da pele considerado um verdadeiro ‘protetor solar natural da pele’, responsáveis por nos proteger contra os raios UV. 


De acordo com os grupo formado por cientistas da Universidade de Yale, nos EUA, e da USP, o pigmento que sustenta a pele dos raios ultravioleta sofre um processo químico tardio causado pelo sol e que pode gerar mutações genéticas diretas ao DNA. Ou seja, lesões que podem resultar no câncer de pele. 

Durante o estudo foram aplicados testes em células da pele de ratos, e descobriu-se que elas continuam a sofrer essas lesões até três horas depois da exposição solar, mais especificamente os raios ultravioleta. E, pasmem, segundo os pesquisadores o mesmo processo acontece em células da pele humana. 

Agora, se você anda subestimando os danos que o sol podem causar na sua pele é hora de rever seus conceitos e começar a adquirir hábitos mais saudáveis na hora de pegar aquele bronzeado. 

Tire todas as suas dúvidas sobre depilação. Confira a conversa da blogueira Juliana Goes com a dermatologista Irina Afonso sobre remoção de pelos:  

Paula Perdiz 

Comente

Assuntos relacionados: pele Paula Perdiz