Produtos de beleza também podem ser sustentáveis

Produtos de beleza também podem ser sustentáveis

Todo mundo já deve ter ouvido falar em vários tipos de produtos sustentáveis: alimentos, roupas, acessórios, etc. Mas você sabia que algumas empresas no ramo da beleza já estão adaptando itens para que agridam menos o planeta?

Isso mesmo! Dá sim para comprar cosméticos sem peso na consciência. Basta ter bom senso e preferir as marcas que tenham um compromisso com o meio ambiente. Algumas celebridades já entraram nessa onda. A atriz Maitê Proença chegou até a anunciar uma linha de produtos de beleza sustentável assinada por ela em maio deste ano.

Afinal, esse setor é grande - movimenta em torno de 330 bilhões de dólares por ano no mundo -, e, por consequência, tem grande responsabilidade com a natureza. "A indústria da beleza consome muitas coisas, como embalagens e matéria-prima. É um segmento de alto impacto, especialmente no Brasil", observa o consultor João Paulo Altenfelder, sócio da SEI - prestadora de serviços de consultoria em sustentabilidade.

Escolher produtos de beleza mais sustentáveis não é muito complicado. O primeiro passo é reduzir a quantidade de produtos utilizados no dia-a-dia. "É comum que a indústria da beleza tente construir a ‘beleza ideal’ através dos meios de comunicação de massa para que as pessoas consumam cada vez mais", alerta o consultor. Então, o segredo é ficar de olho no apelo ao consumo e só adquirir o que você precisa mesmo usar.

Para evitar, ou pelo menos adiar, o esgotamento de produtos naturais, o jeito é optar por empresas que se preocupem com a maneira como obtêm matéria prima. A fórmula também é importante: prefira cosméticos com ingredientes naturais. Quando menos química melhor, inclusive para o corpo.

E, para quem não faz ideia de como identificar uma empresa envolvida em projetos sustentáveis, aí vai a dica: quem faz, divulga. Hoje, a maioria das marcas tem sites próprios, o que facilita a pesquisa. Consulte o endereço eletrônico e verifique se aquela instituição tem projetos de consciência ambiental.

Quem evita o desperdício preserva o planeta. Observe se o produto que você pensa em comprar tem excesso de folhetos desnecessários, de embalagens, se utiliza materiais recicláveis ou simplesmente prefere o que der mais lucro. Embalagens não-recicláveis de plástico comum, por exemplo, podem ser grandes vilãs, já que esse material demora para se decompor no ambiente. "Hoje existem plásticos biodegradáveis e plásticos verdes, como o da Braskem. Muitas vezes, pra deixar o produto mais bonito, aumentam os desperdícios", afirma João Paulo.

Analisar a maneira como uma marca divulga seus itens pode ser bem interessante para saber se ela realmente é de confiança. Preste atenção em propagandas na TV, folhetos, etc. Verifique se a empresa passa mensagens corretas, em especial para crianças. Até porque qualquer um pode adicionar um ingrediente mais natural a um creme e sair por aí dizendo que esse creme é sustentável. Cuidado para não cair nessa.

Algumas marcas, como a Natura (que criou a linha Ekos, adotando a sustentabilidade nas matérias primas), Avon (que recicla 80% de seus resíduos), Éh Cosméticos (que desenvolveu o projeto Reciclar Éh) e a Dove, da Unilever (que produz embalagens recicláveis) são exemplos de empresas envolvidas em projetos sustentáveis. Existem várias outras, vale pesquisar e escolher aquela que oferece produtos melhores para você e seu estilo de vida.


O caminho para provocar menos impacto no planeta é longo, é um aprendizado diário e depende de dedicação e força de vontade. "O consumidor que deseja ter a sustentabilidade como um modelo de vida precisa ser mais restritivo, praticar consumo mais consciente, ser muito mais atento a informações que recebe no mercado", orienta João Paulo. Assim, todos ganham mais qualidade de vida.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente