Pesquisa traça os problemas de pele dos brasileiros

Brasileiros só procuram o dermatologista aos 26 an

A acne é um dos principais vilões da pele que geralmente causa vários transtornos na adolescência. O problema está quando ela continua na fase adulta. Em uma pesquisa divulgada pelo Projeto DermaBrasil, ela foi citada pela maior parte dos entrevistados, 1500 homens e mulheres de todas as idades, de 11 cidades brasileiras.

Para o dermalogista Omar Lupi, dois fatores contribuem para isso. "Se o brasileiro depois dos 35 anos ainda sofre com a acne, temos duas explicações: eles utilizam produtos incorretos para sua pele, facilitando ainda mais o aparecimento das espinhas, ou sofrem por não ter procurado tratamento mais cedo", afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Assim como Lupi, a pesquisa indica que o brasileiro não busca a prevenção. Segundo o estudo, o brasileiro só vai ao dermatologista pela primeira vez após os 26 anos, em média, idade avançada para prevenção de problemas. "É tarde, pois a acne e o câncer de pele, este por conta dos efeitos acumulativos do sol, já aconteceram nesta idade", ressalta.

Para se ter uma ideia, 88,6% dos entrevistados só procuram o dermatologista quando estão com algum problema de pele, como manchas e micoses, por exemplo. Apenas 2,1% buscam um profissional por razões estéticas. Outra questão ressaltada pelo presidente e a pesquisa é como o brasileiro classifica a própria pele. Para as mulheres mais jovens, a pele tende a ser sempre mais oleosa ou mista. Já os homens de quase todas as idades sentem que sua mais oleosa. "Vale lembrar que a população classifica sua pele por conta própria e, a partir daí, compra produtos indiscriminadamente. O resultado disso são alergias, irritações e a questão de intesificar problemas já existentes", alerta.

Com tantas opções no mercado, homens e mulheres preferem produtos de acesso mais rápido, sem a indicação de um profissional. Oito em cada dez brasileiros afirmam utilizar algum produto para cuidar da pele. E na maior parte da compra, o critério utilizado é indicação de familiares e amigos. O hidratante para o corpo é o preferido da listinha de cosméticos.

Maurício Pupo, especialista em cosmetologia, alerta para o uso de cosméticos sem indicação médica. "Existem ingredientes que, quando em contato com a pele, podem trazer prejuízos ao consumidor como, por exemplo, irritações e alergias cutâneas, até mesmo doenças mais graves, como o câncer". Veja alguns componentes você deve observar nos rótulos:

Uréia: bastante usada pela sua eficácia e preço baixo. É extremamente proibida para grávidas, pois penetra profundamente na pele e pode chegar a placenta, prejudicando o feto. A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determina que todas as vezes que um produto tiver na sua composição a uréia em dosagens maiores que 3%, o mesmo deve conter no rótulo o seguinte alerta: "Não Utilizar Durante a Gravidez".

Parabenos: conforme estudo publicado em janeiro de 2004 no Journal of Applied Toxicology, o uso de parabenos em produtos cosméticos destinados à aplicação na área axilar (como desodorantes, por exemplo) deve ser reavaliado, pois estudos recentes levantaram a hipótese de que o uso dele nessa região pode estar associado ao aumento da incidência de câncer de mama. Os parabenos podem ser identificados nas formulações dos cosméticos e desodorantes com diversas nomenclaturas: Parabens, Methylparaben, Ethylparaben, Propylparaben e Butylparaben.

Conservantes Liberadores de Formol: o formol faz muito mal para a pele, mas o que a grande maioria das pessoas não sabem é que muitos cosméticos utilizam na formulação alguns tipos de conservantes que produzem e liberam formol na pele. Além da já conhecida toxicidade do formol, um estudo realizado no Departamento de Dermatologia da Universidade de Debrecen, Hungria e publicado no periódico "Experimental Dermatology", em maio de 2004, revelou que o formol pode contribuir para o aparecimento de câncer induzido pela radiação ultravioleta do sol. Nomenclatura dessas substâncias: quatérnium-15, diazolidinil hora, imidazolidinil uréia e DMDM hidantoína.


Propilenoglicol: um estudo realizado com na Universidade de Göttingen, Alemanha e publicado no periódico "Contact Dermatitis", em novembro de 2005, confirmou o potencial para causar alergias do propilenoglicol, confirmado por um outro estudo realizado no Departamento de Dermatologia do Hospital Osaka Red Cross, Japão e publicado no periódico "International Journal of Dermatology", também em 2005. Para saber se o seu produto cosmético contém propilenoglicol na composição, verifique a palavra propylene glycol no rótulo traseiro da embalagem.

Por Juliana Lopes

Comente