Os perigos do bronzeamento artificial

bronzeamento artificialcâncer

Foto - Shutterstock

A discussão sobre os perigos do bronzeamento artificial não é de hoje. No Brasil o uso das câmaras de bronzeamento artificial é proibido desde 2009, mas ainda hoje encontramos diversos estabelecimentos que realizam o procedimento.

Nos Estados Unidos, onde esse tipo de bronzeamento é permitido, uma nova pesquisa, publicada na edição de julho, da revista Pediatrics, promete reacender a discussão do tema.

O estudo relaciona o bronzeamento artificial - realizados com lâmpadas, camas ou cabines - e a incidência do câncer de pele. Esse tipo de procedimento emite uma quantidade de 10 a 15 vezes maior de radiação ultravioleta do que o banho de sol.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a exposição em câmaras de bronzeamento aumenta em 70% as chances de câncer de pele.

Ainda de acordo com a pesquisa, a probabilidade do desenvolvimento de células cancerígenas é ainda maior quando se começa a realizar esses procedimentos na adolescência e no começo da vida adulta.

Nesses casos, o aparecimento do câncer pode ocorrer em idade precoce. Os resultam endossam a recomendação da Sociedade Americana de Pediatria, que sugere o mínimo de exposição aos raios ultravioletas para adolescentes e jovens.

No Brasil, o câncer de pele corresponde a 25% dos casos da doença. Quanto detectado precocemente tem altos índices de cura. O autoexame pode contribuir para o diagnóstico. Por isso, é importante reconhecer qualquer alteração nas pintas e sinais do corpo e procurar um médico ao sinal de qualquer desconfiança.


Por Vila Mulher

Comente