Gluteoplastia: cirurgia para aumento do bumbum

Gluteoplastia cirurgia para o bumbum

Musculação e ginástica localizada nem sempre são suficientes para fazer o bumbum ficar empinadinho e durinho. Por isso, homens e mulheres recorrem à gluteoplastia, um implante de silicone no bumbum.

Esse tipo de cirurgia não é feito apenas por questões estéticas. "É possível recorrer à gluteoplastia em casos de distrofias musculares, com assimetrias e atrofias musculares na região glútea ou sequelas de acidentes com perda de tecido nessa região", esclarece o cirurgião plástico Rogério Schutzler Gomes.

Antes da cirurgia, o paciente deve fazer exames de rotina, solicitados em qualquer cirurgia plástica, como hemograma, coagulograma, glicemia, creatinina, eletrocardiograma e, eventualmente, exame de urina e raio x de tórax. Recomenda-se que a idade mínima para gluteoplastia seja de 18 anos.

O procedimento é realizado com o paciente de bruços e com anestesia peridural, raquidiana ou, menos comumente, geral. As próteses, cujos tamanhos variam de 200ml a 500ml, são colocadas por meio de uma pequena incisão vertical entre as nádegas, de quatro a cinco centímetros, e que servirá para os dois lados.

A duração da cirurgia varia de 1h30 a 3h e, muitas vezes, é associada a uma lipoaspiração para melhorar a silhueta corporal. "O silicone é colocado dentro ou abaixo do glúteo máximo, para conferir aspecto mais natural e imperceptível", explica o médico. Há quem recuse este tipo de cirurgia, por acreditar que o resultado é artificial. Porém, o cirurgião garante: "Isso pode ocorrer quando a prótese é colocada muito superficial, nos planos subcutâneo ou subfascial. Portanto, é mais uma questão de técnica cirúrgica para atingir um resultado mais real."


O pós-operatório dura cerca de duas semanas. Neste período, a paciente deve deitar apenas de bruços ou de lado. "Passados os 15 dias, a paciente terá condições de retomar atividades leves, sem esforço físico, inclusive dirigir. Mas é importante ressaltar que o prazo pode variar, dependendo de características individuais e eventuais intercorrências", afirma Dr. Rogério. E para evitar perfuração dos implantes, o paciente deve banir injeções na região glútea, passando a tomá-las nos braços ou na coxa.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente