Feliz e de bem com o espelho! Será?

Feliz e de bem com o espelho Será

Que mulher nunca desmarcou um compromisso por levantar num bad hair day? Ou, pior, adiou o encontro com o homem de seus sonhos ao se deparar com uma grande espinha bem no meio da testa? Explico: na verdade, é muito difícil que algo dê tanto prazer às mulheres do que estar de bem com o espelho. Hoje em dia, elas podem competir de igual para igual com os homens no mercado de trabalho, nos esportes... Mas, em termos de preocupação com a beleza, são insuperáveis!

E os números comprovam. Há cerca de dois anos, uma pesquisa feita com mais de 3 mil mulheres brasileiras pela empresa Unilever apontava que 63% delas desejam fazer cirurgia plástica. Ocuparam com louvor o topo do ranking, seguidas pelas mexicanas (38%). Entre as brasileiras, quase 90% afirmaram que gostariam de mudar algo no corpo. Outra pesquisa, esta exclusiva realizada pela Avon com cerca de 23 mil mulheres de 22 países, aponta que, enquanto na média global ir ao cabeleireiro ou arrumar os cabelos preocupa 30% das entrevistadas, no caso das brasileiras esse índice sobe para 45% .

Mas também, pudera! A indústria voltada para a beleza revela-se cada vez mais como uma grande tentação. O apelo dos cremes rejuvenescedores, por exemplo, é irresistível porque a maioria deles surte efeito! Para os cabelos, então, não faltam produtos e tratamentos para os mais variados tipos de fios. A vaidade também aparece por meio das mais variadas receitas, sejam elas caseiras ou baseadas na alta tecnologia: dietas, massagens, botox, depilação, preenchimento de pele, etc.

Com uma bancada no banheiro onde não cabem mais cremes, shampoos, maquiagem, escovas e secadores de cabelo, a paulistana René Rodrigues é o típico exemplo de que, para as mulheres, sempre será necessário e possível melhorar a relação com o espelho. Este ano, ela já dispendeu, em média, R$ 1 mil mensais com o quesito beleza. Os gastos foram direcionados desde aos tratamentos básicos para cabelos e corpo, como cortes e hidratações, até a hospedagem em um SPA de luxo. E, até o fim de 2009, vai se submeter a uma cirurgia plástica para colocar prótese de silicone nos seios e fazer uma lipoaspiração na região da cintura. A nota que ela mesma se dá para sua preocupação com a beleza? Sete, numa escala de zero a 10.

"Jamais sinto qualquer tipo de arrependimento por gastar dinheiro com estética. Pelo contrário, acho necessário e fico mais feliz ao me sentir de bem comigo mesma", diz René que a cada quatro meses chega a gastar até R$ 1.200 em um cabeleireiro da moda. "Faço o serviço completo: corte tintura, massagem e tratamentos capilares". Quanto à sua (in)satisfação com os quesitos corpo, cabelo e pele, ela é clara. "Como tudo na vida, não dá para reclamar, mas sempre se pode melhorar!".

leia também


A amiga de René, Helena Ramos, não fica atrás e diz que gasta uma média de R$ 1 mil a R$ 1.200 por mês entre cuidados com os cabelos, pele e corpo. Já se submeteu a uma cirurgia plástica para afinar o nariz e, em certa ocasião, largou tudo o que estava fazendo para correr ao cabeleireiro e evitar ter de desmarcar um compromisso. "Ah! E tem a terapia, porque ninguém é bonito se não tentar ser feliz!". Com certeza...

Por Adriana Cocco

Comente