Estrias: saiba mais sobre elas

Estrias saiba mais sobre elas

É quase como um passe de mágica. As estrias surgem do nada e incomodam muito a gente! De acordo com a dermatologista Kátia Lufti, as estrias são o resultado de uma ruptura no tecido cutâneo após alargamento excessivo do tecido. No local da estria a pele perde colágeno, elastina, além da nutrição, deixando um aspecto semelhante a cicatrizes.

"As estrias são mais comuns em mulheres, pela própria formação do corpo, e aparecem principalmente em glúteos, coxas e mamas, locais que se estendem durante e após a puberdade, quando aparecem em grande quantidade nesses ou em outros locais como é o caso do abdômen", explica a dermatologista.

Apesar disso, elas podem aparecer também nos meninos, normalmente no estirão de crescimento, nesse caso o dorso é a região mais frequente. "Os adeptos a treinos fortes em academias, com aumento de massa em curto período, também podem desenvolver, principalmente nos braços".

De acordo com a dermatologista as estrias avermelhadas são as mais recentes, costumam ter a melhor resposta ao tratamento e "possuem essa coloração, pois ainda possuem vascularização e nutrientes, e se forem tratadas com antecedência, podem ter melhora de até 100%", afirma Kátia.

Já as brancas normalmente são mais antigas, mas em alguns casos podem ter esse aspecto desde o início. Segundo a dermatologista, existem diversos tratamentos que atenuam e melhoram o aspecto, mas essa estria não desaparece.

Os tratamentos variam e sempre terão um resultado melhor quando associados especificamente a cada tipo de estria. Existem também ingredientes como a carboxiterapia que tem o objetivo de melhorar a circulação local para que se consiga uma migração de substâncias e irrigação necessária.

Outra opção é o tratamento por intradermoterapia: é injetado um coquetel de substâncias através de agulhas finas em toda a extensão das estrias, melhorando a circulação local e aumentando a produção de colágeno. "Dessa forma, conseguimos diminuir a altura e espessura das estrias. Essas substâncias vão fazendo as estrias voltarem a ficar vermelhinhas, diminuírem de tamanho e recuperando a pele.", afirma a dermatologista.

"Dentre outros tratamentos temos: cremes com ácidos específicos, que vão ajudar na produção de colágeno da pele, peelings tanto químicos quanto de cristais, para também aumentar a produção de colágeno e elastina da pele, e fazer uma descamação para que estimule a migração de vasos e nutrientes necessários para a recuperação da pele", explica Kátia.


Como os tratamentos são complicados e muitas vezes não tem resultados 100% satisfatórios, a dica é a prevenção. "Para evitar as estrias o importante é tentar não aumentar o peso de forma brusca, hidratar a pele e iniciar um tratamento com supervisionamento de um especialista caso surja algum sinal", conclui.

Comente