Cutículas: tirar ou não tirar?

Cutículas tirar ou não tirar

Tira, cutuca, empurra - nunca deixamos a cutícula em paz. A verdade é que a danada é um grande tabu entre as mulheres e, entre outros questionamentos, nos perguntamos: tirar ou não tirar essa pele que insiste em crescer ao redor das unhas?

Segundo Sheila Gonçalves, farmacêutica e consultora em cosmetologia, essa é uma questão cultural. As brasileiras, por exemplo, preferem tirar, ao contrário das europeias, que apenas empurram. Entretanto, é importante frisar que a cutícula tem sim serventia. "Ela tem a função de aderir à unha e proteger a matriz ungueal [raiz da unha]", explica o dermatologista Adriano Almeida. "É uma região da pele que não faz parte da unha, ou seja, é um anexo da pele, que tem como função a proteção da unha contra micoses, infecções, danos no crescimento da unha. É um tecido que tem função", completa Sheila.

Assim, deduz-se que sua retirada pode causar alguns desconfortos, inclusive infecções, como a paroníquia. Paro-quem? "A paroníquea é uma infecção que ocorre na junção entre a unha e a pele, na região da cutícula, muitas vezes desencadeada por traumas gerados quando ela é retirada. Esta infecção deve ser tratada imediatamente, pois além de muito dolorosa, pode gerar danos a matriz ungueal, com sequelas como alterações da conformação da unha que podem ficar para sempre", esclarece Adriano.

Não quero mais tirar

Sempre há como mudar seus hábitos. O aconselhado é, a princípio, hidratar bastante a região, com óleos ou cremes. A farmacêutica Sheila conta que as europeias usam produtos específicos para o afinamento da cutícula. Eles possuem, em sua fórmula, substâncias ácidas, como o ácido salicílico, e queratolíticos, que quebram a queratina, amaciando e afinando a cutícula. Depois, é só empurrá-la em direção à base da lúnula, a "marquinha branca na região proximal dos dedos", como explica Adriano.

Mas e se eu quiser continuar tirando, posso? Claro que pode! Obviamente, seu organismo ficará mais exposto, mas cuidados podem ser tomados para que os danos sejam mínimos. Segundo Juliana Souza, manicure do salão Pretty Face Coiffeur, no Rio de Janeiro, algumas clientes optam por manter as cutículas, mas a maioria ainda pede sua retirada. A própria Sheila admite que tira as cutículas, mas ressalta a importância de procurar um profissional para fazer o serviço. "Se tirar, o faça com um profissional, não em casa. A falta de habilidade pode levar a cortes, infecções sérias, inchaço e até mesmo ao uso de antibióticos", alerta. A manicure deve ter habilidade para a remoção, que não pode ser exagerada.


Para se proteger, a hidratação é de extrema importância. Além de prevenir danos na pele, hidratar também tratará mãos e cutículas. Lembre-se de sempre ter um creme para mãos ao alcance! São indicados aqueles com óleos vegetais, de canola (que tem ômega 3, 6 e 9), óleo essencial de lavanda (com ação regeneradora e antisséptica) e agentes hidratantes, como o ‘hidrovance’, derivado da ureia, que melhora o aspecto da pele, promove a proteção, a elasticidade da pele e possui ação imediata e prolongada. Tirando ou não, o importante é sempre manter mãos e cutículas hidratadas, para que, além de bonitas, suas unhas sejam saudáveis.

Por Ana Paula de Araujo (MBPress)

Comente