Câncer de mama - tatuagem é usada na reconstrução do seio

Tatuagem é usada na reconstrução do seio

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, o câncer de mama é o segundo mais frequente do mundo. Entre as mulheres ele ocupa o primeiro lugar, corresponde a 22% dos novos casos todos os anos. Em alguns deles é necessário realizar mastectomia, a retirada da mama. Quando isso ocorre, a mulher tende a ficar mais sensível, por isso a reconstrução do seio é uma fase muito importante.

A cirurgia plástica sozinha nem sempre é capaz de alcançar os resultados finais sonhados pela mulher. Quando a reconstrução da mama é feita, detalhes como a cor característica da aréola não podem ser reproduzidos. Para complementar esse procedimento estão sendo usadas técnicas de tatuagens. Trata-se do desenho e da pigmentação da aréola reconstituída com o auxílio de tintas e agulhas.

"Os primeiros trabalhos desse tipo, aqui no estúdio, foram feitos há cerca de três anos. Procuramos usar os conhecimentos da tatuagem e adaptá-los para serem aplicados em locais mais frágeis que são a aréola e cicatrizes", diz Nany Tattoo, tatuador do Led’s Tattoo. Segundo Nany, há cirurgiões plásticos que recomendam às pacientes o serviço.

O cirurgião plástico Dr. Cláudio Roncatti é um dos especialistas que recomenda a pigmentação com tatuagem. "Ela oferece menos riscos às mulheres, se comparada às cirurgias para a reconstrução da aréola usando tecido de outras partes do corpo", explica o cirurgião. Dr. Roncatti diz ainda que é necessário aguardar um período de cicatrização de três à seis meses, antes de procurar um tatuador para realizar a pigmentação.

É preciso muita prática e testes até atingir a cor natural exata, segundo Nany. "Existem muitos tons de marrom, por isso fazemos misturas com alguns deles para um resultado bem semelhante ao tecido real", garante o tatuador. "Além disso, também devemos considerar a cor da pele e os possíveis contrastes", completa. Após alcançar o tom correto, é iniciado o trabalho.

"Depois de uma análise de tamanho e formato, redesenhamos a aréola. Mantemos como base o trabalho do cirurgião. Podemos aumentar ou diminuir se for necessário", declara Nany Tatto. O procedimento pode ser aplicado mesmo em cicatrizes que desenvolveram quelóides. "Com uma ou duas sessões já é notado a diminuição da altura da queloide", garante o tatuador.

Orgulhoso, Nany diz que os cirurgiões reconheceram seu trabalho e, a partir desse ponto, surgiram parcerias entre os dois tipos de profissionais. "Fico feliz, antes o tatuador era um profissional marginalizado, agora estamos sendo reconhecidos". "Esse é um trabalho muito recompensador", completa.

"A mulher chega até nós ainda muito fragilizada, por todo o tratamento agressivo ao qual foi submetida. Por isso, fazemos questão de não prometermos mágica, garantimos resultados", afirma Nany. A média de preço desse serviço varia de R$ 500,00 a R$ 1.000,00.


Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente