Bumbum com tudo em cima

Bumbum com tudo em cima

Todo mundo sabe o que precisa para manter o corpo em dia. Exercício físico, alimentação adequada, hidratação da pele, evitar maus hábitos. Mas, mesmo fazendo tudo isso, ainda assim a gravidade e o tempo não querem saber de agir a nosso favor - e o bumbum que o diga. Com a medicina estética cada vez mais avançada, saiba que técnicas de cirurgia plástica podem ajudar na hora de aumentar ou levantar os glúteos. Bumbum mole, caído ou pequenininho nunca mais.

Mesmo sendo uma modalidade em evolução - e não tão procurada pelas brasileiras que naturalmente já tem o bumbum maior ou mais firme - a cirurgia plástica nessa parte do corpo é opção para quem, por exemplo, emagreceu muito e tem sobra de pele. As que já nasceram com a queda natural ou apenas assistem, sentadinhas, a flacidez chegar, também podem se aliar à plástica.

"Para o primeiro caso, retira-se a sobra para fazer um lifting glúteo, que pode abranger desde a região da cintura até a parte inferior. Com a pele retirada, cria-se um volume por dentro do bumbum", explica o cirurgião plástico Alexandre Passos. Essa gluteoplastia é mais complexa, restrita a quem tem mesmo um excesso de pele que a princípio seria desprezada, mas pode ‘encher’ o bumbum.

Outra opção, menos invasiva, é a lipoenxertia, que se aproveita da gordura retirada de outra parte do corpo - até aqueles pneuzinhos chatos - e a transfere para o bumbum. Com isso, ele aumenta de volume e dá a impressão de levantamento. Essa é uma cirurgia mais frequente e menos complexa. "O problema é que, nesse caso, há risco de perda de resultado, uma vez que o corpo pode absorver a gordura", explica Alexandre. Ele calcula que quase a totalidade das mulheres que passam por uma lipoaspiração também faz o enxerto no glúteo, já aproveitando a cirurgia para melhora no contorno corporal.

A prótese de glúteo é uma opção para as mais magrinhas, que não têm de onde tirar gordura. A técnica é indicada também nos casos em que a paciente deseje aumento muito grande de volume, maior que 100 ml, por exemplo. "Vale lembrar que essa não é uma técnica totalmente consagrada, com quadros de dor, infecção e compressão dos nervos pós-cirurgia, afinal, trata-se de um corpo estranho numa região de muito movimento", pondera Alexandre.

E ele ressalta os cuidados pós-operatórios necessários em todos esses tipos de intervenção. "É preciso repouso de 15 a 30 dias, período em que se deve evitar esforço ou pressão na região. Também não se pode sentar ou deitar de barriga para cima nos primeiros dias", recomenda. Alexandre alerta ainda para que a pesquisa na hora de escolher o melhor profissional seja feita com cuidado. "Recuperação rápida e indolor não existem. É importante que a cirurgia plástica seja feita por um profissional habilitado".


O médico lembra ainda que esse tipo de cirurgia, apesar da preocupação da mulher com o contorno do próprio corpo, não é primeira modalidade procurada. Isso porque, segundo ele, há ainda certo tabu e preconceito com relação ao bumbum muito grande, que denotaria certa vulgaridade. "O que vale mesmo é o mais perto do natural, sem exageros". A gente concorda!

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente