Beleza também pode ser sustentável

Beleza também pode ser sustentável

A maioria das mulheres sonha em conquistar a beleza da juventude eterna. Cabelos sempre sedosos, pele aveludada e sem rugas, mãos sempre macias, além, é claro, de um corpo esbelto livre de celulites. Mas se sabe, beleza não é tudo. É preciso se cuidar, mas sem esquecer que o mais importante é viver com qualidade de vida e sentir-se bem, satisfeita com as mudanças que o tempo trouxe.

A cirurgiã Carla Góes Sallet, integrante da Associação Brasileira de Cosmetologia, lançou o livro "Beleza Sustentável" (Integrare Editora, 2010), com dicas práticas e simples para ter uma aparência saudável - sem dar muita importância às pressões e cobranças impostas pela sociedade. Baseada em sua experiência médica e estudos científicos sobre beleza e saúde, a obra apresenta um conjunto de recomendações práticas e simples para ter uma boa aparência e se manter saudável ao longo dos anos.

Segundo Carla, que também faz parte da Sociedade Brasileira de Laser e Medicina Estética, o principal motivo que leva as mulheres a procurar um especialista é o descontentamento com as mudanças faciais, como marcas de expressão, diminuição do tônus muscular e flacidez na região do pescoço. Já no corpo, os campeões de reclamação são aumento da cintura, gorduras acumuladas nas costas e nos braços.

É muito bom que as mulheres estejam se cuidando, procurando envelhecer com saúde. Porém nem todas estão preocupadas com o bem estar do corpo e muitas apenas dão atenção à aparência dele. A cirurgiã contou ao Vila Batom que recebeu em seu consultório uma mulher, de apenas 29 anos, que se queixava de rugas ao redor dos olhos e boca. A paciente era fumante e as marquinhas, provavelmente, consequências do mau hábito.

A busca desenfreada pela beleza pode ter origem no meio em que vivemos. Nas novelas, filmes e, principalmente, nas capas das revistas, se veem mulheres lindas, de corpos sempre perfeitos. Mas até que ponto aquela imagem é real? É necessário tomar um pouco de cuidado. Ir até um cirurgião com a foto da Maria Fernanda Cândido ou da Angelina Jolie, por exemplo, e querer a boca, o nariz ou os olhos como os delas não é o mais indicado. É preciso analisar o que é o melhor para você. "Sou a favor dos tratamentos, mas para realçar, definir, valorizar, e não para criar uma nova pessoa, uma caricatura do que já fomos um dia", diz a especialista.

Carla revela que o problema é tão grave que algumas mulheres tomam medicamos por conta própria. Pior, alguns proibidos pela Anvisa, sem se preocupar com as possíveis doenças e danos ao seu organismo. "Isso e muito grave", alerta a médica, que completa falando sobre plásticas: "se feita realmente quando necessário, no momento certo e seguida a manutenção pela paciente, pode ser muito bom e ter resultados duradouros".


Do contrário, é preciso lembrar que cremes, aparelhos de alta tecnologia e intervenções cirúrgicas não devem ser motivos de felicidade - e sim coadjuvantes na busca. Adaptar-se e tirar o melhor proveito de cada fase e cuidar das relações e do enriquecimento pessoal tem tudo para dar sentido à existência. E, é claro, se cuidar um pouco, alimentar-se bem e fazer algum exercício físico para se manter saudável e bonita.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente